Embalagens para ovos: 5 dicas para transportar com segurança

O transporte de cargas alimentícias requer cuidado para a conservação do volume, uma vez que elas precisam passar perfeitamente por todas as etapas até o consumidor final. As embalagens para ovos foram pensadas para atender a essa demanda, oferecendo proteção total e conservação ao alimento.

Uma maior preocupação com essa etapa do trabalho é a certeza de clientes satisfeitos e de redução de custos por perda de ovos. Diante disso, neste post você vai entender melhor a necessidade de boas embalagens, conhecendo 4 dicas para fazer um transporte seguro.

Entenda a importância da segurança nas embalagens

A preocupação com a segurança dos ovos no transporte é uma questão institucional importante, mantendo a saúde e a confiabilidade de um negócio. Preservar cargas evita problemas de ordem financeira, como despesas a mais por perda de ovos, ou até mesmo a configuração de prejuízos, em casos mais graves.

O cuidado não deve ser somente com a quebra dos ovos, mas também com a conservação das suas propriedades. Condições de transporte inadequadas podem fazer com que eles percam qualidade, vindo até mesmo a estragarem-se. Isso acaba colocando em risco a credibilidade da empresa, algo muito prejudicial e que pode ser resolvido facilmente, graças a boas práticas.

Veja o que considerar para o transporte seguro

O transporte adequado está muito ligado às embalagens para ovos seguras, que ofereçam bom manuseio, empilhamento e conservação. É fundamental investir em caixas de qualidade, que vão garantir a integridade e a qualidade do alimento em todas as etapas.

Para conseguir isso, é preciso dedicação a alguns pontos importantes, sempre pensando em como as embalagens vão se adequar às necessidades de preservação do alimento. A seguir, confira 4 dicas fundamentais para considerar durante o processo de transporte dos ovos.

1. Escolha o material adequado

Uma das maiores preocupações no transporte e manuseio de ovos é em relação à fragilidade das caixas. Por conta disso, a embalagem precisa oferecer suporte para que esse ponto seja atendido de maneira eficiente, para que o alimento possa passar pelo processo logístico de forma segura.

O material das embalagens utilizadas é um ponto importante, precisando de uma proteção eficiente. As caixas de papelão ondulado são as opções com a melhor proposta para os ovos, tendo em vista que esse material tem uma maior capacidade de minimizar os impactos que o alimento sofre no transporte.

A caixa de papelão ondulado possui uma camada interna, como um reforço, que funciona justamente para deixar as paredes da caixa com maior capacidade de amortecimento. Dessa forma, é possível transportar ovos com o maior nível de segurança possível.

2. Tenha embalagens de fácil manuseio

Desde a saída do criadouro, passando por todas as etapas, os ovos serão manuseados em grandes quantidades, o que os expõe naturalmente aos riscos contra sua integridade. Não é fácil carregar caixas cheias e pesadas, o que também faz necessário o pensamento de funcionalidade ao trabalhador que fará esse manuseio em vários momentos.

Boas embalagens devem oferecer suportes para que sejam pegadas com maior facilidade, sem nenhum tipo de improviso ou desconforto para os profissionais envolvidos nessas etapas.

Encaixes para as mãos podem parecer um simples detalhe, mas são recursos de funcionalidade de extrema importância. Quando as embalagens contam com eles, o manuseio poderá ser feito adequadamente.

Para que essa solução seja aplicada nas caixas, é preciso também que elas sejam reforçadas, para que não haja nenhum tipo de problema. Uma embalagem com suporte para pegada, mas sem resistência, pode resultar em rasgos e danificação de ovos.

3. Empilhe de forma cuidadosa

Uma importante necessidade nas embalagens para ovos é que elas possam ser empilhadas sem maiores problemas. Essa demanda faz com que as embalagens precisem ser pensadas de forma que possam “encaixar” umas nas outras. Isso permite que elas fiquem alinhadas e, principalmente, não ofereçam pressão, impacto ou qualquer outro tipo de agressão aos ovos das caixas que estejam sobre ou embaixo delas.

Além do cuidado acerca do material, é fundamental não sobrecarregar as embalagens. Elas terão limites bem específicos, e é sempre fácil identificar quando elas já atingiram esse volume. Forçar esse ponto pode causar problemas iminentes à estrutura dos ovos, causando quebras, ou seja, desperdícios que podem ser facilmente evitados.

Outra recomendação básica, porém fundamental, é evitar misturar outros tipos de cargas com os ovos. Como eles são altamente frágeis, outros alimentos, por exemplo, podem oferecer pressão excessiva na hora de empilhar, resultando em rachaduras e até mesmo na quebra. Cargas de ovos devem ser somente deles.

4. Mantenha a temperatura dos ovos

As embalagens para ovos também devem ser desenvolvidas pensando na manutenção da temperatura deles. Pelo fato de possuírem suas necessidades muito específicas, eles precisam ter o respiro adequado, porém também não podem sofrer com climas muito frios. É preciso buscar um equilíbrio para que o ovo não sofra com esses fatores.

Antes de serem transportados, os ovos ficam armazenados em locais que possuem um nível adequado de refrigeração, e esse mesmo nível deve ser mantido nos caminhões para que o alimento não sofra com um possível impacto térmico.

Outro ponto importante é a utilização de embalagens que permitem a respiração dos ovos, sem que eles fiquem abafados, mas também não totalmente expostos. As altas temperaturas também podem trazer problemas, o que faz com que a descarga em dias de muito calor e sol demande cuidados.

O equilíbrio é fundamental, com embalagens que protejam a estrutura da casca dos ovos, mas também ofereça ventilação suficiente para evitar o abafamento.

5. Tenha atenção ao custo-benefício

Adquirir novas embalagens para ovos é um processo que passa pela consideração de todos os fatores citados ao longo deste post. As opções mais baratas e com menos recursos podem acabar custando mais caro, pois não oferecem a preservação necessária dos alimentos.

Pensar de forma inteligente é levar em consideração a relação custo-benefício na hora de adquirir embalagens. As melhores alternativas são aquelas que possuem preços justos quando alinhados com os recursos e a segurança que oferecem o que a carga precisa, em nível de segurança e conservação.

Com essas dicas você vai tomar as melhores decisões na hora de escolher as melhores embalagens para ovos usadas no transporte! Assim seu negócio poderá se manter sempre relevante, oferecendo o máximo de qualidade.

Nós temos as embalagens que você precisa! Entre em contato conosco e veja como podemos ajudar sua empresa com esse serviço.

Saiba como armazenar produtos para exportação de forma correta

Está pensando em expandir o seu negócio para clientes estrangeiros? A sua empresa já está consolidada no mercado de exportação de produtos nacionais? O estoque adequado de mercadorias é fundamental para a sua operação? Caso tenha respondido afirmativamente, você sabe como armazenar produtos pode representar um diferencial competitivo para o negócio.

Os gestores devem pensar em como o tipo de embalagem interage com a mercadoria, a apresentação dela nas prateleiras e a conservação de suas características. Por isso, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento são tão importantes para alinhar as necessidades dos clientes com a percepção dos invólucros.

A relação entre a visibilidade de uma marca e o volume de vendas de um produto pode ser associada diretamente com a eficiência das ações de marketing. De modo a demonstrar essa relação, analisaremos a importância da escolha do design certo de um produto, além de mostrar dicas preciosas para a armazenagem de itens para exportação. Continue lendo e saiba mais!

Quais são as principais atribuições das embalagens?

O papel de uma embalagem pode ser visto em todos os elos da cadeia de suprimentos — desde o princípio do processo de compra, até a chegada do produto ao consumidor final. Por isso, é indicado considerar as atribuições do material e a relação dele com a estratégia empresarial.

O principal atributo de uma embalagem é proteger as mercadorias de danos e avarias que podem ocorrer durante o manuseio, a armazenagem e o transporte. No ramo alimentício, por exemplo, uma embalagem danificada pode significar que o produto está inapto para venda e para o consumo. Isso quer dizer que, por uma questão de saúde, as mercadorias devem ser descartadas — o que representa perdas financeiras e afeta e imagem do produtor.

Os produtos manufaturados, inclusive, possuem componentes que podem ser quebrados em caso de colisão ou mau acondicionamento em caminhões, paletes e contêineres.

A segunda propriedade tem relação com as ações de marketing para a promoção da marca e os seus respectivos produtos. Isso é possível devido à capacidade de criar formas de estabelecer comunicação com os clientes e, assim, gerar destaque para a empresa.

As embalagens devem ser atrativas, explicitar as características e os benefícios dos produtos. Nesse contexto, a atividade de criação é um processo árduo que deve considerar não somente os elementos gráficos, mas os materiais utilizados em sua composição. Afinal, o custo do produto também envolve o valor da embalagem.

Por fim, o terceiro aspecto tem o objetivo de promover o melhor aproveitamento do espaço possível. Essa é uma decisão importante, uma vez que os veículos, as embarcações e as aeronaves utilizadas no transporte têm espaço limitado. Pensar na otimização previne desperdício e oferece a melhor relação custo-benefício para o custo do frete na exportação.

Quais são os benefícios da embalagem adequada?

Com investimento em pesquisa e desenvolvimento, é viável tomar a decisão certa para a valorização do seu produto e para o crescimento do negócio. Como resultado, você obterá benefícios como:

  • Facilidade no transporte;
  • Visibilidade do produto;
  • Uniformização do volume de cada lote;
  • Distribuição em grande escala;
  • Consolidação da imagem da marca.

Embalagens que contêm os produtos podem ser projetadas utilizando os mais diversos materiais, como papelão, madeira vidro e alumínio. Cabe destacar que não existe um modelo universalmente aceito, mas a escolha depende da função a ser desempenhada e das características de cada mercadoria. Por esse motivo, considere a opção que ofereça maior adequação as suas necessidades.

Quais são os tipos de embalagem mais utilizados?

  • Embalagem de transporte: tem o propósito de atender às especificações do transporte. Oferece maior proteção e expõe os dados do fornecedor;
  • Embalagem de prateleira: é utilizada nos pontos de venda para apresentar as mercadorias aos clientes. Também possui elementos gráficos que remetem à marca;
  • Paletização: é ideal para a movimentação das cargas nos armazéns, além de ser empregada no embarque e no desembarque nos veículos. Possibilita a movimentação dos lotes com a ajuda de empilhadeiras.
  • Conteinerização: essa é uma das principais inovações da importação e exportação de mercadorias. É amplamente adotada por empresas de logística e tem capacidade de transportar grandes quantidades de mercadorias por meio do modal marítimo.

Como armazenar produtos para exportação?

Conheça, a seguir, as recomendações para armazenagem de produtos para exportação.

Conte com maior resistência

Criar uma embalagem com o intuito de realizar o embarque para exportação é significativamente diferente de desenvolver recipientes para a distribuição no mercado interno. Com esse aspecto em mente, o gestor deve compreender que o período de deslocamento é maior.

Também ocorrem transições entre caminhões e embarcações, quando os produtos saem dos centros de distribuição para as prateleiras do varejo e das lojas até chegar ao cliente final. São diversos elos que compõem a cadeia de suprimentos, sendo crucial que a integridade do material seja mantida do início ao fim.

Portanto, a primeira característica das caixas a ser observada é a resistência. Contudo, é preciso adicionar flexibilidade e leveza para facilitar a movimentação manual e também por meio de equipamentos.

Atenda às condições especiais

Em casos de produtos que requerem condições especiais, como temperatura controlada, níveis de umidade e monitoramento de pressão, as caixas e pacotes devem ser elaborados para garantir o atendimento dessas especificações.

Já as dimensões e o volume precisam ser compactos para permitir o agrupamento e o transporte em lote. É importante lembrar que as regras de peso limite e as recomendações de empilhamento máximo devem ser seguidas rigidamente, a fim de garantir eficiência, estabilidade e integridade das mercadorias e profissionais envolvidos..

Selecione fornecedores adequados

Para garantir resultados satisfatórios, é importante contar com fornecedores de embalagens que compreendam seu impacto no produto. Assim, procure identificar empresas que prezem pela qualidade dos materiais e operem para atender às especificações requeridas. Com isso, durante toda a operação, compreenda como ocorrerá a alocação dos produtos e quais serão os meios de transporte utilizados.

Foque na experiência do cliente

O fator estético também influencia na decisão dos clientes. Portanto, é preciso considerar os detalhes que atraem a atenção de forma positiva para estimular as vendas. Para criar recipientes reutilizáveis ou com propriedades biodegradáveis — que fazem parte de uma tendência de consumo aliada à preservação ambiental —, criatividade e inovação são palavras-chave.

A forma como as mercadorias são expostas nas prateleiras também pode ser favorecida com a utilização de caixas práticas e com um formato atrativo. Esse tipo de versatilidade contribui para facilitar a distribuição, especialmente em mercados estrangeiros.

Os custos operacionais e as condições as quais os lotes podem ser submetidos durante o processo de exportação e distribuição representam fontes de preocupação para os empreendedores. A solução mais viável é buscar a otimização dos recipientes, contribuindo, assim, para a sua segurança.

Exportar é uma atividade arriscada, a qual exige cuidado para ser bem-sucedida. Portanto, o gestor deve buscar informações sobre como armazenar produtos e, também, a melhor maneira de lidar com a introdução de um novo item no mercado externo.

Gostaria de mais informações? Siga a nossa página no Facebook e tenha acesso a mais conteúdo.

Saiba como empilhar caixas de papelão corretamente

O estoque é um setor essencial para a logística das empresas. Tanto que exige dos gestores uma boa lógica de organização, otimização de espaço e armazenagem adequada dos itens. Mas, para ter tudo isso, é preciso saber empilhar corretamente as caixas de papelão que envolvem os seus produtos.

Adotando as práticas certas, você aumenta a resistência das embalagens que utiliza, protegendo os artigos dentro delas, e garante que o seu estoque permaneça organizado. Assim, por consequência, reduz o retrabalho e a necessidade de trocar produtos danificados — além de melhorar, como um todo, o rendimento do estoque.

Outro ponto importante é que isso ainda influi na diminuição de custos, já que embalagens bem-arrumadas reduzem o peso do transporte e a necessidade de caixas mais fortes.

Então, para garantir tudo isso, continue lendo e confira algumas dicas para empilhar e organizar as suas caixas de papelão da melhor maneira:

Use o empilhamento colunar para caixas de papelão

Praticamente, 70% da resistência das caixas de papelão está em suas arestas ou cantos. Por isso, o ideal é optar pelo empilhamento colunar. Isso significa: uma caixa exatamente em cima da outra, formando colunas.

Apesar de não oferecer uma boa amarração da carga, é com essa disposição que você obterá a melhor resistência, pois o peso estará melhor distribuído entre as partes mais fortes das caixas.

Vale ressaltar, no entanto, que um desalinhamento nessas pilhas pode provocar perda da sua força, com o risco de as caixas tombarem e danificarem os artigos que estão dentro no seu interior.

Outro ponto a considerar nesse empilhamento é que se deve usar embalagens do mesmo tamanho em cada coluna, formando pilhas diferentes para cada tamanho de caixa.

Evite também o empilhamento trançado — em que cada caixa é disposta sobre outras duas, meio a meio — pois, com ele, o peso ficará apoiado no centro das caixas de baixo, local com menor resistência. E nunca empilhe sobre pisos irregulares.

Empilhe caixas de papelão sobre paletes

As embalagens de papelão são resistentes, leves e úteis para a estocagem, mas não suportam umidade excessiva. Por isso, é ideal que sejam posicionadas sobre paletes ou estruturas planas de proteção. Assim você as protege de qualquer aquosidade que vier pelo piso.

Ao empilhá-las dessa forma, contudo, tome cuidado: nunca deixe suas laterais para fora da estrutura do palete. Pode parecer que, ao fazer isso, você ganha espaço, mas a verdade é que as arestas não terão uma sustentação adequada. Logo, a qualidade das caixas será comprometida, podendo danificar os produtos dentro delas.

Seguindo a mesma lógica, não deixe as arestas das caixas nos vãos dos paletes.

Tome cuidado com a umidade e prazo de validade

Como já foi dito, a umidade é um fator crucial para as caixas de papelão. Assim, além de utilizar os paletes, você pode você pode dispor as caixas a uma distância de um metro das paredes, mais ou menos, para evitar que absorvam a sua umidade.

O papelão ondulado pode aguentar determinada umidade. Ainda assim, quanto mais tempo ele for utilizado, mais da aquosidade presente no ar ele absorverá — e, consequentemente, mais da sua resistência ele perderá.

Então, para saber se você deve ou não substituir uma caixa, o ideal é sempre observar o seu prazo de validade, se houver. Essa não é uma informação obrigatória no Brasil, por isso, na falta desse dado, considere substituir a caixa após 60 dias de utilização.

Outra prática que você pode adotar no seu estoque é usar dissecantes, como a sílica, por exemplo. Eles têm a função de capturar a umidade do ar, deixando-o mais seco e adequado para a resistência do papelão ondulado.

Outra possibilidade é contratar um serviço para auferir a umidade do ar em seu galpão ou estoque e assim ganhar informação para preservar a qualidade das embalagens armazenadas.

Faça o preenchimento correto

A forma como os itens estão dispostos dentro das caixas de papelão também importa para um empilhamento correto. Assim, ao escolher uma caixa para os seus produtos, observe se as medidas internas dela fazem sentido, para que todo o espaço seja aproveitado internamente.

A carga precisa ser distribuída uniformemente, preenchendo a embalagem o mais completamente possível. Dessa forma, você economiza espaço no seu estoque e evita que os itens dentro dela se movam no transporte — movimentação esta que pode danificar o produto.

Se, por algum motivo, não for possível preencher satisfatoriamente a caixa, podem ser utilizados sacos plásticos cheios de ar, espumas de EPP ou EPS, cintas nas paredes internas, entre outros, nos vãos entre as mercadorias, para evitar que elas se movimentem ou que a caixa se dobre ao empilhar.

Além disso, não deixe que a embalagem seja fechada com algum estufamento na tampa, provocado pelo excesso de produtos, por exemplo. Isso também prejudicará o empilhamento colunar.

Outro ponto é garantir o tamanho ideal das caixas de papelão, conforme o peso dos produtos. Isso porque nem sempre a maior caixa servirá para os produtos maiores, e vice-versa. Escute os conselhos do seu fornecedor para obter a melhor embalagem.

Observe todos os símbolos impressos na caixa

Esses símbolos existem para fornecer informações sobre o manuseio das caixas e as melhores formas de empilhá-las.

O desenho com um sol, por exemplo, significa que a caixa não pode ser exposta à luz do sol ou a altas temperaturas. Já o guarda-chuva indica que você deve evitar a umidade. Você também pode ver o desenho de uma taça, que representa a presença de itens frágeis.

Mas o símbolo mais importante para o empilhamento é um número com duas linhas abaixo dele. Este número indica a quantidade de caixas que podem ser colocadas numa mesma pilha. Siga essa orientação para garantir a qualidade do armazenamento.

Tome cuidado com o transporte das caixas

O empilhamento no transporte de cargas também é essencial para garantir a durabilidade das embalagens de papelão ondulado. Quanto a isso, assim como no estoque, utilize o empilhamento colunar sobre paletes para transportar as caixas até o caminhão através do veículo empilhadeira.

Para que as caixas não se movam ou se choquem, preencha todos os espaços vazios dentro do caminhão ou veículo de transporte. Caso isso não seja possível, aqui também pode ser utilizado o método dos sacos plásticos cheios de ar, ou outras estruturas para evitar o movimento.

O suor de carga também deve ser prevenido no transporte das caixas de papelão, utilize desumidificadores para isso. Faça ainda o fechamento correto de todas as caixas e, caso necessário, utilize cantoneiras de papelão nas laterais delas para protegê-las.

Enfim, todos esses cuidados na hora de empilhar as caixas de papelão garantem que você tenha um estoque organizado, e menos surpresas com danos ou custos adicionais. Afinal, como vimos, a organização e o empilhamento adequado são fundamentais para maior a durabilidade das caixas e a proteção dos produtos.

Então, gostou do post? Agora, quer conhecer mais sobre os tipos de embalagens e a sua importância? Continue em nosso blog e aproveite para tirar suas principais dúvidas na hora de adquirir embalagens para a sua empresa!

Transportadoras: 5 dicas de como reduzir custos da sua empresa

As transportadoras têm uma missão muito importante: fazer os produtos chegarem ao seu destino em tempo hábil e, de preferência, com um preço baixo. E essa não é uma tarefa fácil, principalmente quando é preciso reduzir custos para se manter competitivo em uma área estratégica para o sucesso de qualquer empresa.

Portanto, com o objetivo de superar os desafios desse setor e aumentar a eficiência no uso dos recursos disponíveis, listamos as melhores dicas para economizar em uma transportadora. Confira!

1. Planeje as rotas

A melhor maneira de reduzir custos em empresas de qualquer ramo é por meio da otimização das operações. No caso de uma transportadora, isso passa por um bom planejamento de rotas. Seguindo alguns passos, é possível realizar essa programação de maneira mais inteligente. 

Primeiramente, mapeie como seu atendimento será feito e quem ele precisa alcançar: onde está seu centro de distribuição? Qual a localização dos seus principais clientes? Qual o prazo médio para as entregas? Além disso, procure por especificidades, como limitações de horários e transporte de itens especiais, que demandam algum tipo de cuidado extra.

Depois, escolha o melhor meio de transporte para efetuar a entrega. Essa opção deve ser feita levando em conta o maior número de fatores possíveis, como preço, prazo, volume e meios de conservação exigidas por determinados produtos.

Por fim, existem softwares específicos que auxiliam nessa otimização, elaborando roteiros com os melhores trajetos, expandindo a economia, tanto de tempo quanto de combustível.

2. Saiba como reduzir custos com o seguro

O seguro de cargas nunca deve ser visto como um gasto. Diante de tantos problemas presentes pelo caminho até que o produto chegue ao consumidor, contar com essa proteção é essencial para cobrir ocorrências desagradáveis. No entanto, é viável obter descontos na hora da contratação de um seguro sem correr riscos.

De forma geral, existem duas modalidades de seguro de cargas: para transporte nacional e para transporte internacional. As coberturas mais básicas cobrem danos à mercadoria causados por acidentes, incêndios e explosões, além de assaltos à mão armada e quando o veículo também é levado.

A responsabilidade por quem deve arcar com o custo do seguro precisa ser definida no momento da contratação do serviço de transporte. Assim, para escolher a apólice mais coerente ao que você precisa, é bom atentar-se a alguns pontos.

O ideal é que sejam levados em conta a natureza da carga, qual será o percurso e o meio de transporte utilizado. A partir disso, fica mais fácil estabelecer quais serão as coberturas necessárias e pesquisar por seguradoras com boa reputação que ofereçam os melhores preços.

Porém, não se esqueça de rever frequentemente as informações sobre o tipo de mercadoria transportada e quais serão os trajetos. Às vezes, uma nova região com menores índices de incidentes é incluída no roteiro, o que pode baratear o seguro. Além disso, como o preço da apólice varia de acordo com o valor da mercadoria, certifique-se de que a cobertura está adequada à necessidade.

3. Adote novas tecnologias

Já mencionamos que a tecnologia é uma excelente aliada na hora de otimizar as rotas. Mas esse não é o único segmento que pode ser beneficiado por ela.

Ferramentas tecnológicas auxiliam para um melhor aproveitamento do espaço e controle do estoque, monitoramento de desempenho e integração de processos. Tudo isso vai levar a elevação da produtividade, contribuindo para a diminuição dos custos sem perda da qualidade no serviço prestado.

4. Centralize as informações 

A falta de informações precisas e atualizadas sobre o andamento das tarefas durante o processo de entrega pode por qualquer planejamento, por mais bem-feito que ele tenha sido, em perigo. Esses desencontros costumam resultar em equívocos e tarefas inteiras podem precisar ser refeitas, gerando custos adicionais inesperados.

Por isso, um bom sistema de gerenciamento logístico precisa ser implementado e bem administrado, para que a qualidade e a quantidade de informações disponíveis seja suficiente nos momentos de tomadas de decisões entre os funcionários.

Além disso, ao consolidar dados relevantes em um sistema único, falhas ficam mais aparentes, abrindo espaços para melhorias. Por exemplo, ao identificar um veículo antigo que esteja gastando muito combustível, a indicação é trocá-lo por um novo, mais econômico. Essa estratégia é válida para identificar e redimensionar qualquer custo incompatível com a realidade da empresa.

5. Escolha embalagens apropriadas

Com um planejamento de rotas inteligente, implementação de soluções tecnológicas de gerenciamento e um sistema eficiente de centralização de informações, a transportadora já percorreu um bom caminho para reduzir seus gastos.  Contudo, considerar as embalagens nas quais os produtos serão acondicionados é tão necessário quanto as demais práticas mencionadas acima.

Durante o transporte, a principal função da embalagem é fornecer proteção para que o produto chegue até o cliente no mais perfeito estado de conservação. Logo, é preciso escolher com cuidado tanto a parte que vai revestir o exterior da embalagem quanto com os materiais que servirão para absorver impactos que possam ocorrer no trajeto.

Os prejuízos causados em decorrência de produtos embalados inadequadamente são consideráveis, já que pode ser preciso trocar a mercadoria, enviá-la de volta ao fabricante e realizar novamente todo o processo de entrega. Fora esses transtornos, tais danos certamente vão desagradar os clientes, levando-os a procurar outras empresas na próxima vez.

Nessas horas, as caixas de papelão se mostram muito versáteis. Elas são leves, baratas, resistentes, personalizáveis, disponíveis em diversos tamanhos ambientalmente sustentáveis.

A leveza barateia o custo do transporte, pois os fretes são calculados considerando o peso das mercadorias carregadas. Já a resistência (que pode sem ampliada com o acréscimo de novas camadas de material) confere proteção para a locomoção de produtos variados, desde alimentos até equipamentos eletrônicos. E esses são apenas alguns dos benefícios alcançados com o uso das caixas de papelão.

Ao reduzir custos, a transportadora será capaz de ser mais eficiente e prestar serviços melhores. Com certeza essa é a melhor forma de atrair clientes, fidelizá-los e aumentar os ganhos.

Caso você tenha gostado das dicas e queira saber mais sobre come melhorar a gestão logística do seu negócio, temos mais informações neste outro post do nosso blog.

Saiba como escolher o perfil de embalagens ideal para seu negócio

Escolher um perfil de embalagens apropriado é uma demanda importante para as empresas. Um design moderno representa muito para o posicionamento de marca, além de proporcionar maior credibilidade junto ao cliente.

A qualidade dessas embalagens também deve ser pensada na hora da tomada de decisão. É importante que elas sejam capazes de armazenar o produto de forma adequada, oferecendo proteção e boas condições para que ele chegue intacto ao consumidor.

Neste post, você vai entender melhor como é relevante preocupar-se com as embalagens, além de conhecer as principais para poder decidir qual é a mais indicada ao seu negócio. Confira!

Os cuidados com transporte e armazenamento

Parte fundamental ao pensar em um perfil de embalagens para seus produtos, o transporte precisa ser considerado como fator crucial na hora de tomar uma decisão. Dependendo do modelo utilizado, algumas embalagens podem acabar sofrendo mais com os impactos, o que interfere na preservação do conteúdo.

O perfil de embalagens definido também deve armazenar de forma adequada seu produto, independentemente do tipo que estiver transportando. Nos casos dos alimentos, por exemplo, há uma grande preocupação em relação a como essas embalagens podem atuar impedindo que produtos perecíveis venham a estragar.

Nessa situação, é indispensável optar por materiais que consigam conservar o conteúdo da melhor forma possível, de modo que o produto chegue ao consumidor final em plenas condições de uso.

Perfil de embalagem e a relação custo-benefício

O investimento também deve ser vantajoso às empresas. Não surtirá efeitos optar por uma embalagem moderna, com um design bonito e sofisticado se, no final das contas, isso implicar em um custo muito alto para a empresa.

A decisão pelo melhor perfil de embalagens passa pelo equilíbrio. Uma opção interessante deve reunir pontos positivos como estética, conservação do conteúdo e alocação da melhor forma. Tudo isso deve estar associado a um preço que faça o investimento ser vantajoso.

A necessidade de um design moderno e funcional

A apresentação do produto é a metade do caminho para uma venda bem-sucedida. Muitas pessoas valorizam o design de embalagens e rótulos, especialmente quando as marcas em questão ainda não são referência no mercado.

Portanto, é sim muito importante buscar embalagens que apresentem uma aparência moderna e que consigam ser funcionais. Além de bonitas, elas devem alocar bem o conteúdo do produto e ser de fácil manuseio e estoque, tanto para a empresa quanto para o consumidor final.

Os principais perfis de embalagens existentes

Hoje, é possível encontrar os mais diversos perfis de embalagens para todos os tipos de produtos. Além do design, os materiais usados têm boas variações, que oferecem benefícios em quesitos como conservação e apresentação do produto.

Os diferentes segmentos de negócios têm demandas específicas quanto a essas embalagens, por isso, faz-se necessário conhecer as principais. A seguir, você confere algumas das mais utilizadas atualmente, podendo verificar qual é a mais útil para sua empresa.

Papelão ondulado

Visualmente, as caixas de papelão ondulado são como qualquer outra. Porém, é justamente sua composição interna que traz seu diferencial. O sistema de ondulação é uma camada interna do papelão que oferece maior resistência ao material e também protege os produtos de impactos.

Esse perfil de embalagem é bastante democrático, mas não oferece utilidade a cargas molhadas e cortantes, tendo em vista que, em ambas as situações, pode haver danificação da estrutura, colocando o produto em risco.

Embalagem para alimentos (alumínio)

As embalagens de alumínios são leves, fáceis de serem moldadas e ainda oferecem proteção extra para conteúdos que demandam maiores cuidados. O principal direcionamento das embalagens de alumínio é para a indústria alimentícia.

O material tem uma maior capacidade de conservação da temperatura necessária para o alimento, além de conseguir proteger o conteúdo de forma eficiente da incidência de calor e de luz.

Plástico

O plástico é capaz de dar origem aos mais versáteis perfis de embalagem vistos no mercado. Ele pode dar forma a designs variados, dentro de um custo-benefício muito interessante. Os principais usos desse tipo de embalagem são para produtos líquidos e bebidas em geral. Entretanto, há uma restrição para alimentos, tendo em vista que o plástico pode alterar o sabor das comidas.

Toda essa versatilidade tem um preço que as empresas devem pagar. O plástico não é um material biodegradável e isso pode soar mal para marcas que possuem públicos engajados com causas ambientais. Sendo assim, vale a pena considerar essa questão!

Tetra-pak

Bastante estabilizada no mercado, a tetra-pak é uma embalagem direcionada a laticínios de uma forma geral, além de bebidas. A curiosidade desse perfil de embalagens fica por conta de sua composição, que é feita de alguns materiais básicos: folha de alumínio, papel-cartão e polietileno.

Essa combinação oferece resistência às embalagens, flexibilidade para uma moldagem de acordo com o design desejado e a possibilidade de conservação do conteúdo, graças ao alumínio. Por isso ela é tão usada na indústria alimentícia.

Madeira

A principal característica da madeira é a proteção oferecida ao que é carregado dentro da embalagem, graças à sua resistência superior às outras opções disponíveis.

Ela é capaz de armazenar grandes volumes e, geralmente, é voltada para a indústria do agronegócio: frutas, legumes e vegetais costumam ser transportados e armazenados nesse perfil de embalagem.

Entretanto, as caixas de madeira têm um custo maior na sua produção, além de não serem tão capazes de conservar os produtos de alguns fatores naturais, como a umidade e o calor. Seu uso é bastante específico e, geralmente, não é prolongado, além de seu design ser rústico.

Os diferentes mercados têm suas necessidades e a importância de conhecer os principais tipos de embalagem é justamente fazer uma decisão capaz de atender ao seu negócio de forma completa.

Escolher o perfil de embalagens requer uma análise aprofundada sobre todas as vantagens que o material em questão oferece, assim como as limitações que ele impõe. Agora você já sabe mais sobre cada um e pode tomar a decisão mais acertada!

Gostou de saber mais sobre esse assunto tão importante? Aproveite para tirar todas as suas dúvidas nos comentários e contar quais materiais utiliza nas embalagens de sua empresa!

Como garantir a segurança no transporte de mercadorias?

Quem precisa fazer um produto chegar ao seu destino por meios rodoviários sabe que os desafios são grandes. Existem diversos fatores que podem atrasar a entrega, danificar ou comprometer a qualidade dos itens levados de um local para outro.

Esses problemas geram clientes insatisfeitos que dificilmente voltarão a fazer negócio com sua empresa. Dessa forma, você deve estar se perguntando o que pode ser feito para garantir a segurança no transporte de mercadorias.

Para auxiliar nessas questões, preparamos dicas que vão fazer com que o transporte seja realizado com mais tranquilidade. Confira!

Capacite os motoristas para melhorar a segurança no transporte de mercadorias

Os motoristas representam o principal grupo envolvido no transporte de cargas, afinal, sem eles os caminhões sequer sairiam para as estradas. Portanto, a primeira atitude a ser tomada para realizar o frete com segurança é oferecer treinamento a esses profissionais.

Os treinamentos devem focar tanto na conscientização quanto na prevenção. É essencial que o motorista esteja preparado para dirigir em condições adversas de clima, saiba agir em situações que exigem controle emocional (caso de tentativa de assalto, por exemplo) e conheça técnicas de direção que possibilitem menor desgaste do equipamento. É igualmente importante que os motoristas conheçam os pontos principais do trajeto, quais são os mais seguros, saibam operar um sistema de GPS e de comunicação e emissão de alertas.

Tenha um galpão de armazenagem adequado

Além dos recursos humanos qualificados, ter uma infraestrutura em boas condições vai ajudar muito. Nesse ponto, um galpão adequado às necessidades da empresa é indispensável.

Ele precisa ter tamanho suficiente para comportar todo o estoque, os espaços onde as triagens serão realizadas e as áreas dos caminhões. Nesse local, a segurança deve ser reforçada com um sistema de vigilância e pessoal capacitado.

Realize a manutenção dos caminhões

Economizar com manutenção pode acabar saindo muito caro. Ainda assim, trata-se de um serviço que frequentemente é deixado de lado. Isso faz com que o caminhão só passe pela oficina quando algo já está quebrado ou quando impede o motorista de rodar.

Logo, investir na prevenção de problemas mecânicos é a melhor alternativa. Um veículo checado periodicamente gasta menos combustível, pneus e lubrificantes. Os cuidados adequados também tornam a viagem mais segura para os motoristas e evitam que o caminhão pare no meio do percurso, comprometendo os prazos e deixando a carga suscetível à ação de criminosos.

Contrate um seguro

Outro gasto muitas vezes visto como desnecessário é aquele feito com a contração de um seguro. No entanto, quem conta com esse tipo de serviço tem uma tranquilidade superior a qualquer economia, visto que consegue melhorar a segurança no transporte de mercadorias.

A finalidade do seguro é cobrir prejuízos com danos que possam acontecer durante todo o percurso, sejam eles motivados por acidentes ou crimes. A responsabilidade pela contração pode ser do comprador da carga, do profissional que realiza a venda ou da empresa responsável pelo transporte.

Na hora de escolher qual seguro contratar, é preciso conhecer bem as modalidades e as coberturas oferecidas pelas seguradoras. Para fazer essa avaliação, considere o tipo de produto a ser transportado, o trajeto e o veículo que será utilizado.

Diante da variedade, é muito fácil optar por um seguro que não vai suprir suas reais demandas em caso de uma ocorrência. O ideal é não precisar acionar a seguradora, mas ter a certeza de poder fazer isso a qualquer momento traz tranquilidade.

Conte com o auxílio da tecnologia

Em um mundo no qual a tecnologia já alcança praticamente todas as atividades humanas, o transporte de mercadorias não ficou de lado. São várias as ferramentas disponíveis para aplicar nesse setor.

Com o auxílio de equipamentos e programas de computador, é possível estabelecer, por exemplo, roteiros de entregas mais inteligentes e que otimizam os deslocamentos.

Outra ferramenta utilizada em empresas modernas é o rastreador de frota, que permite identificar, por meio de GPS, a localização exata de cada um dos veículos. Os benefícios são vários: poder verificar se os motoristas estão seguindo as rotas indicadas, se estão dentro dos limites de velocidade e, ainda, bloquear o veículo em caso de roubos.

Por fim, sistemas de rastreio também dão ao cliente a facilidade de saber exatamente em qual estágio do processo de entrega está a mercadoria.

Escolha a embalagem adequada

Você já preparou os motoristas, melhorou a infraestrutura de armazenamento e triagem, contratou um seguro, programou as manutenções e investiu em tecnologia. Isso com certeza vai garantir uma boa proteção para sua mercadoria até o destino. Porém, o tipo de embalagem escolhida para despachar os produtos desempenha um papel tão importante quanto os demais itens.

A função primordial da embalagem é proteger o produto. Para isso, ela precisa ser resistente e, ao mesmo tempo, leve e fácil de manusear. No caso de produtos frágeis, como eletrônicos ou itens que contêm componentes de vidro, a proteção precisa ser reforçada. Por outro lado, se as mercadorias transportadas forem alimentos, a embalagem deve ser capaz de resistir à umidade e poeira.

Também é essencial avaliar o peso e o espaço que cada embalagem vai acrescentar à carga, já que o preço do frete é cobrado por volume. Ou seja, materiais muito pesados e volumosos podem encarecer demais o transporte. Por outro lado, se eles não oferecerem boa resistência, será necessário incluir camadas extras, plástico-bolha, almofadas de ar, espumas de EPP ou EPS.

Por fim, a embalagem deve conter orientações sobre a maneira correta de fazer o transporte do produto. A fragilidade do conteúdo deve ser explicitada, além das instruções sobre o limite máximo de empilhamento e posicionamento adequado. Tudo isso pode parecer exagero, mas evitará muitos transtornos.

Além disso, se a embalagem puder dar mais visibilidade ao produto perante os clientes e for composta por material reciclável, os ganhos para a marca serão diversos.

Com a leitura das nossas dicas, é possível compreender que a segurança no transporte de mercadorias é resultado de um planejamento bem pensado e executado, que considera os diversos problemas que podem ocorrer ao longo de todo o processo. Ignorar isso pode colocar tudo em risco, não se esqueça!

Agora que você sabe como transportar seus produtos com segurança, leia outro texto do nosso blog e entenda a importância da embalagem na hora de fazer o transporte de produtos frágeis!

Chapa de papelão: conheça o processo de criação da caixa de papelão

As caixas de papelão são embalagens extremamente populares, práticas e utilizadas em praticamente todo o mundo. Além de todas as qualidades que fazem da chapa de papelão um produto sustentável do ponto de vista econômico, social e ambiental, ela é também barata e eficiente, já que otimiza a gestão logística do negócio.

Para entendermos como e por que isso acontece, teremos que contemplar todo o processo produtivo por trás das embalagens de papelão e é exatamente isso que vamos fazer ao longo deste artigo. Está interessado? Então confira na sequência!

História do papel

O papel, tal como o conhecemos hoje, surgiu na China por volta do ano 105. Conta a história que Ts Ai Lun teria criado uma pasta rica em fibras que, após a secagem, teria sido o primeiro registro de produção de papel em todo o mundo.

Para tanto, ele utilizou uma mistura de água e materiais fibrosos, como retalhos de roupas, casca de amoreira, pedaços de bambu e, até mesmo, redes de pescar. A cal também foi utilizada para auxiliar no processo de desfibramento.

O resultado obtido por Lun até que não deixava a desejar no quesito qualidade. No entanto, como tivemos a oportunidade de mencionar, todo o processo de fabricação do papel era realizado de uma forma mais intuitiva e artesanal.

Com o aumento da popularidade do papel e, consequentemente, a demanda pelo seu consumo, rapidamente começou a faltar matéria-prima para a sua produção. Simplesmente não era mais possível acrescentar retalhos de roupa ao processo produtivo, uma vez que não havia tecido suficiente.

Os princípios utilizados pelo chinês continuam vigentes até hoje, muito embora o processo tenha evoluído bastante. Ao longo do século XIX houve grande avanço na composição das semipastas, resultado de diversas tentativas de separar a celulose da lignina (demais substâncias presentes na madeira). A cola animal foi também substituída pela resina para melhor performance.

A importância do papel para a indústria

A importância do papel para o desenvolvimento de uma variedade enorme de negócios é múltipla. Isso acontece, é claro, em virtude das enormes vantagens e facilidades que o material oferece ao usuário.

As caixas de papelão, por exemplo, são embalagens baratas e seguras para o transporte de mercadorias. Seu revestimento triplo protege bem o conteúdo contra choques físicos e é livre de produtos tóxicos, sendo ideais para o acondicionamento de gêneros alimentícios.

Além de tudo isso, o papel conta com uma vantagem muito grande em comparação a outros materiais: pode ser facilmente reaproveitado ou reciclado. Mais do que uma opção pela sustentabilidade, a reciclagem vem se tornando um verdadeiro diferencial competitivo no mercado.

Estima-se que a cada centavo investido em reciclagem, conseguimos tirar três centavos do custo do produto final. Ao longo do processo de produção, especialmente na fase de corte, acabamos gerando fiapos e pequenos pedaços sem utilidade comercial.

Todo esse material pode voltar para o início do processo para servir de matéria-prima para a produção de mais papel. Essa reutilização pode acontecer até seis vezes sem que o papel perca as suas características essenciais.

Processo de fabricação da chapa de papelão

A chapa de papelão é matéria-prima para a fabricação das caixas. A partir da chapa, são realizados cortes e vincos, permitindo com que o produto seja montado e adquira seu formato final.

Uma chapa de papelão simples é formada por três folhas de papel, o que lhe confere resistência e capacidade de proteger o conteúdo que está sendo transportado. Veremos a partir de agora, com um pouco mais de detalhes, todos os passos que envolvem a fabricação de uma caixa de papelão: da matéria-prima ao produto final.

Preparação da matéria-prima

A matéria-prima utilizada na fabricação do papel pode ser celulose, papéis reciclados ou, ainda, uma pasta mecânica. A pasta mecânica é formada por celulose e lignina, a partir da ação abrasiva do rebolo contra a madeira, fazendo com que ela seja desfibrada.

Criação da pasta

Durante a etapa de criação da pasta, o material fibroso é colocado em solução de água e, em seguida, passa por um processo de depuração, que tem o objetivo de livrar o composto de qualquer tipo de impureza.

Depois disso, a pasta é refinada, levando a efeito a moagem das fibras. Na sequência o material é tingido e colado, com a adição do breu ou de outras colas. Por fim, a última etapa consiste na correção do PH. Esse procedimento é necessário, já que a celulose é naturalmente alcalina e precisamos de um composto neutro.

Formação da folha

A formação da folha ocorre quando tiramos um pouco da saturação de água do composto, fazendo com que ele adquira uma forma. Esse processo pode ser feito de forma manual ou com a utilização de mesas ou cilindros.

O processo manual consiste em simplesmente peneirar a pasta, removendo o excesso de água. Os outros dois processos envolvem a utilização de telas metálicas, pelas quais a água escorre quando o material entra em contato com a máquina.

Secagem

Na etapa de secagem o papel passa por um processo de prensagem, retirando ainda mais água do composto. Por fim, todo o material passa por cilindros aquecidos para que o restante da água possa evaporar. Para finalizar o procedimento, basta cortar o papel seco no formato desejado.

Formação da chapa de papelão

Uma chapa de papelão simples é formada por três folhas de papel coladas umas nas outras. As duas folhas da extremidade, que formam as superfícies da chapa são lisas, mas a folha do meio (o recheio) é ondulada (daí advém o nome “papelão ondulado”). Esse efeito é obtido a partir da passagem de papel comum por uma máquina (conhecida como máquina corrugadora) que prensa o papel entre duas superfícies sulcadas.

Montagem da caixa

Para finalizar o processo, a chapa de papelão já pronta pode precisar receber impressão. Nesse caso, ela é aplicada por máquinas impressoras geralmente através do processo de flexografia (algumas também conseguem cortar e criar vincos no papelão). Em seguida, aplica-se a cola fria, processo que pode ser manual ou automatizado, nesse último caso, a chapa de papelão passa por uma linha de montagem na qual uma máquina aplica cola e une as partes que devem ser aderidas por ela. Caso a superfície do papelão esteja revestida com cera, utiliza-se a cola quente. Tanto a tinta quanto a cola são feitas são produzidas a partir de materiais atóxicos.

Gostou deste artigo? Revolucione seu negócio com o uso de caixas de papelão na medida para suas necessidades. Entre em contato com nosso time de especialistas e conheça suas opções!

5 erros para serem evitados no transporte de cargas

Quem precisa fazer seus produtos saírem do local de produção até chegarem às mãos dos consumidores sabe que o desafio é grande. É difícil percorrer as distâncias em um país enorme como o Brasil, que, para piorar, não oferece muitas opções de meios de transporte.

Por isso, para minimizar as chances de contratempos ao longo do caminho, listamos 5 erros que devem ser evitados no transporte de cargas. Boa leitura!

1. Não optar pelo tipo correto de embalagem

O primeiro passo para que o transporte seja um sucesso é fazer a escolha da embalagem correta, que proteja o produto e garanta a conservação da sua qualidade. Para tomar essa decisão tão importante é preciso, antes de tudo, pensar nas características do que será transportado.

O produto contém partes de vidro e, portanto, é extramente frágil? Ele não pode sofrer incidência de luz ou entrar em contato com odores? As embalagens poderão ser empilhadas? Essas são apenas algumas das perguntas que devem ser feitas antes de escolher o tipo da embalagem, desde o seu formato até o material de composição.

É essencial, principalmente na hora de transportar cargas delicadas, como equipamentos eletrônicos e alimentos, que o material da caixa seja resistente e não deforme facilmente. Além disso, não se esqueça de sinalizar bem o tipo de carga que está sendo transportada, indicando a fragilidade quando necessário. E, se for o caso, verifique se tudo está bem preso.

Por fim, considere que a embalagem não pode acrescentar peso demais ao produto transportado, já que muitas transportadoras cobram pelo peso dos volumes carregados. Dessa forma, opte por caixas de papelão em vez de caixotes de madeira, por exemplo.

2. Não contratar seguro para as mercadorias

Seguro é o tipo de gasto que consideramos desnecessário até o momento em precisamos dele. Só quem já perdeu uma carga desviada, roubada, extraviada ou danificada e teve que arcar com o prejuízo sabe que a contração de um seguro que proteja contra esses imprevistos é indispensável.

Para se ter uma ideia, de acordo com dados da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN), no ano de 2016 o prejuízo ocasionado pelo roubo de cargas foi de 1,6 bilhão de Reais. Naquele ano, foram registradas 22.500 ocorrências do tipo.

Portanto, a contração de um seguro deve estar sempre no topo da lista de prioridades, principalmente para quem transporta materiais com alto valor comercial, como smartphones e notebooks. É melhor não precisar acionar o seguro, mas caso algo indesejado aconteça é bom ter proteção garantida.

3. Deixar de avaliar os custos

O custo para realizar o transporte de cargas é um fator que não deve ser deixado de lado. Um frete muito alto pode encarecer o produto, fazendo com que ele se torne menos competitivo diante dos concorrentes.

Para alcançar o melhor valor na hora de levar a mercadoria de um ponto a outro é preciso estimar tanto os custos fixos (salário de motoristas, funcionários, impostos e manutenções preventivas de veículos) e variáveis, que mudam de acordo com a distância percorrida (insumos, como pneus, combustíveis e lubrificantes).

4. Não escolher a opção mais adequada para o transporte de cargas

Assim como é necessário critério na hora de escolher a embalagem para acondicionar seu produto, o momento de decidir qual será o modal pelo qual o transporte será feito passa por responder algumas perguntas.

Por exemplo: é preciso que o produto esteja no destino em quanto tempo? Ele precisa de condições específicas de armazenamento durante o transporte, como refrigeração? Quanto é possível gastar com o frete, levando em conta o valor da mercadoria?

As formas mais comuns de transporte são a ferroviária, a rodoviária, a aérea e a hidroviária, seja por rios ou mares. Cada uma dessas alternativas apresenta suas vantagens e desvantagens e é indicada para determinados grupos de produtos.

O transporte ferroviário costuma ser um pouco mais lento que as demais opções, mas é adequado para transportar grandes quantidades de materiais por longas distâncias, como produtos agrícolas ou minérios.

O transporte aéreo é mais rápido, mas não permite o carregamento de grandes quantidades, ao contrário do ferroviário. Além disso, ele é mais caro e limitado. Por outro lado, ele costuma ser mais seguro e rápido. Assim, ele pode ser considerado uma opção interessante para o transporte de produtos eletrônicos.

O meio rodoviário é o mais utilizado no Brasil. Ele é indicado para o transporte de produtos perecíveis ou com valor agregado em curtas distâncias. Apresenta a desvantagem de ser mais caro, principalmente em estados onde há a cobranças de tarifas de pedágio nas estradas.

Finalmente, o transporte hidroviário, é indicado para o transporte de cargas pesadas em longas distâncias de maneira similar ao transporte ferroviário. É um meio barato e viável, mas que também pode ser desinteressante pelo tempo que demora.

Portanto, escolher o meio mais adequado para o transporte é uma questão respondida com base em diversos fatores, já que a escolha errada faz com que seu produto custe mais caro para ser levado ou ainda atrase, que é mais um erro que deve ser evitado.

5. Não cumprir prazos

Toda vez que uma entrega atrasa, é inevitável que aconteça uma quebra de confiança entre as partes. Por mais que imprevistos aconteçam, o cliente não quer saber o que aconteceu para justificar a demora excessiva em receber sua mercadoria. Isso certamente vai fazer com que ele pense duas vezes antes de negociar novamente com sua empresa, por melhor que seja o produto.

Quase sempre um atraso é consequência do planejamento inadequado em determinado ponto da operação. Para diminuir as chances de que atrasos ocorram é preciso investir em tecnologias, como sistemas de rastreamento e controle de estoque, que deem uma visão geral de todos os estágios do processo.

O transporte de cargas é uma atividade essencial, tanto para quem vende quanto para quem compra. Porém, por mais que os cuidados sejam tomados, eventualmente problemas vão acontecer. Quando aparecerem, o segredo é lidar com eles da melhor maneira possível e aprender para que a experiência não se repita.

Gostou do texto e quer receber novos conteúdos como este diretamente no seu e-mail? Então assine a nossa newsletter!

Entenda por que usar caixa de papelão com tampa como embalagem

Muitos detalhes devem ser levados em conta na hora de desenvolver um novo produto: qual será a sua composição, quem será o público-alvo e como será feita a distribuição. Contudo, a embalagem costuma ser um ponto quase sempre deixado de lado e definido sem maiores preocupações. Para mudar isso, acompanhe o texto e saiba por que usar a caixa de papelão com tampa pode ser uma excelente opção para o seu negócio.

Quais as características da caixa de papelão com tampa?

As caixas de papelão com tampa são feitas de uma ou mais camadas de papelão ondulado, revestido por uma folha de papel adesivo, podendo incluir impressões na parte exterior.

As suas características mais marcantes são a praticidade e a eficiência. Por serem totalmente personalizáveis, elas podem ser feitas em diferentes formas, sempre em um curto espaço de tempo e, como são feitas sempre no tamanho necessário, diminuem o espaço utilizado no estoque e o gasto com material.

Além disso, as embalagens desse padrão são facilmente fechadas, garantindo o armazenamento do produto com segurança e discrição.

Quais são as aplicações desse tipo de embalagem?

Além de práticas e eficientes, elas são versáteis. O papelão utilizado em sua fabricação fornece resistência para amortecer eventuais impactos e proteção contra agentes externos, como a umidade e a poeira.

Dessa forma, as caixas de papelão com tampa são indicadas para o acondicionamento de produtos, como notebooks e celulares, e até alimentos extremamente sensíveis.

Que benefícios é possível ter embalando seus produtos com elas?

Se a praticidade, eficiência e versatilidade das caixas de papelão com tampa não foram suficientes para lhe convencer do porquê usá-las, confira as vantagens que elas podem oferecer a sua empresa.

Tenha um custo menor

Quem administra uma empresa sabe que cortar custos é uma tarefa que deve ser feita sempre, envolvendo todas as áreas de produção. Utilizando as caixas de papelão com tampa, é possível, inclusive, economizar na hora do transporte.

Como as caixas são feitas no tamanho certo para o produto a ser transportado, não é preciso adicionar outras formas de proteção, como plástico bolha ou almofadas de ar.

Dessa forma, o conteúdo fica mais leve e possibilita gastar menos com o frete, já que as transportadoras cobram valores que crescem à medida que o tamanho e peso do produto aumentam. Em longo prazo, o dinheiro economizado representará uma boa quantia, que pode ser alocada em outras atividades.

Obtenha maior visibilidade no ponto de venda

Fora oferecer segurança no transporte e no armazenamento, a embalagem deve ser uma forma de chamar a atenção do consumidor, além de lhe oferecer informações sobre o que está sendo vendido. Diferente de outros tipos de material, a caixa de papelão com tampa oferece as duas vantagens ao mesmo tempo.

Pela sua grande capacidade de personalização, é viável imprimir nas caixas informações que servirão para tornar o produto mais interessante para o consumidor que ainda não o conhece.

Essa forma de publicidade ainda é pouco explorada e pode garantir vários novos clientes, sem a necessidade de gastos extras com anúncios.

Ao contrário de sacos plásticos e rótulos adesivos, é muito fácil ler o que está escrito em uma caixa de papelão, pois possui um manuseio mais simples e não deforma ao contato das mãos nem tem a mensagem apagada com o passar do tempo.

Além disso, a qualidade da impressão faz com que dados importantes, como lote, validade ou informações nutricionais, sejam visualizados de maneira mais tranquila, mesmo se forem impressos em espaço reduzido.

Proteja mercadorias especiais

É extremamente desagradável receber algo que não está em condições de uso por ter sido danificado durante o transporte. Optando pelas caixas de papelão, esse problema será minimizado.

As camadas de papelão ondulado que compõem a caixa oferecem maior resistência e capacidade de amortecimento diante de impactos. É possível aumentar o número de camadas de papelão colocadas e melhorar sua firmeza. Assim, elas podem ser usadas para o carregamento de componentes de vidro (como telas de aparelhos eletrônicos) e frutas e legumes, que amassam facilmente.

No caso de alimentos, a caixa de papelão confere proteção contra a incidência de luz, odores indesejados e isolamento térmico, contribuindo para que eles durem mais e cheguem com a qualidade esperada à mesa do consumidor.

Colabore com a natureza

Nos dias atuais, toda empresa séria deve levar à frente discussões sobre sustentabilidade ambiental. Mais do que isso, elas devem colocar em prática atitudes que reafirmem sua preocupação com a natureza.

Pensando nisso, o emprego de caixas de papelão com tampa como embalagem atende perfeitamente essa necessidade por serem recicláveis. Ou seja, todo o papelão utilizado pode, se encaminhado corretamente para empresas capacitadas, ser reaproveitado e se transformar novamente em matéria-prima para a indústria.

Além disso, o papelão é proveniente de fontes renováveis. Enquanto alguns materiais são feitos a partir de derivados de petróleo ou outros componentes químicos, o papelão é fabricado a partir de florestas cultivadas para esse fim, que conseguem suprir toda a demanda existente pelo produto.

Por fim, graças às suas propriedades físicas já explicitadas anteriormente, as caixas oferecem maior proteção a produtos delicados, como alimentos frescos. Estragando menos itens, consequentemente, o desperdício durante o transporte será menor.

Desconsiderar o conceito de sustentabilidade prejudica não só o meio ambiente como também representa perda de valor para a marca. Clientes valorizam empresas que se preocupam com essas questões e se tornam mais engajados e fiéis quando notam que tal produto demonstra cuidado quanto ao dano que pode causar ao planeta. Por isso, é fundamental não menosprezar o assunto.

Como você viu no texto, a escolha da embalagem correta é algo que influenciará em vários pontos do processo de produção: desde a hora do empacotamento, passando pelo momento do uso do produto, até o descarte dos resíduos. Considerando isso, a caixa de papelão com tampa é uma alternativa que oferece soluções para diversos problemas com um excelente custo-benefício.

E você? Está pensando em embalar seus produtos utilizando caixas de papelão que preencham suas necessidades pelo melhor preço? Entre em contato com a MM Embalagens e solicite um orçamento! Com certeza, você encontrará o que precisa!

4 melhores práticas para melhorar a gestão logística do seu negócio

Um negócio que funciona bem precisa ter processos devidamente estruturados, responsabilidades definidas e um controle feito com muito profissionalismo por parte dos gestores. Dessa forma, as rotinas diárias tendem a não saírem fora do planejamento para manter margens de rentabilidade em bons patamares.

Acontece que nenhuma organização existe e atua sozinha. Ela sofre influência de seus parceiros e clientes e também exerce algum efeito sobre todos eles ao mesmo tempo. Sendo assim, para manter o dia a dia da produção dentro de uma normalidade, fazer uma gestão logística é fundamental.

Aplicada a todos os tipos de empresas, a gestão logística precisa ser bem entendida e corretamente controlada. Sobre este assunto, algumas explicações merecem um pouco mais de atenção. Confira a seguir.

O que é gestão logística

Antes de entrar diretamente no conceito de gestão logística, vale a pena explicar o que é a cadeia de produção. Ela é um conglomerado de empresas que participam de operações conjuntas fazendo com que, do primeiro fornecedor até o recebimento dos produtos ou serviços demandados pelo cliente, todo o processo aconteça de forma ordenada e funcional.

A gestão logística, por sua vez, é um pedaço de toda essa cadeia. A gestão é a responsável pelo planejamento, implementação e controle das fases que compreendem o fluxo logístico. É um conjunto de atividades que garante, além da eficácia do processo, a sua eficiência, tornando os custos e prazos viáveis para todos os envolvidos..

Fazendo com que cada etapa e participante consiga honrar com suas entregas dentro daquilo que foi previamente acordado, a gestão logística precisa garantir a qualidade dos produtos ou serviços. Isso faz com que a empresa ganhe e mantenha sua credibilidade junto ao cliente final.

Como o consumidor praticamente só enxerga a empresa da qual compra, a boa gestão de todos os outros parceiros é fundamental para que a boa imagem da companhia seja mantida.

Logicamente que não se pode também perder de vista a relação de custos, pois uma solução logística precisa ser, acima de tudo, viável. Isso significa que o valor cobrado e pago tem que ser proporcional ao serviço prestado.

4 melhores práticas da gestão logística

Envolvendo empresas de todo o tipo e dos mais variados locais, a gestão logística influencia diretamente a oferta e a demanda de milhares de consumidores e fornecedores independentemente de onde estejam. Exercendo tamanho impacto, ela não poderia deixar de ser estudada e testada.

Mediante esforços de organizações de todo o tipo e de gestores dedicados, algumas boas práticas de mercado acabam ganhando mais destaque na busca por processos mais lucrativos e eficientes. Veja a seguir 4 delas:

1. Planejamento e controle da produção

É natural que administradores normalmente associem o desenvolvimento de um planejamento quando o assunto são novos negócios, outras linhas de produção, projetos a serem implantados, campanhas de marketing e qualquer atividade que ainda não tenha uma rotina programada e, principalmente, operante.

A verdade é que mesmo alguns processos cotidianos devem ser planejados, como é o caso da produção. Ao se criar um planejamento de produção, todos os recursos necessários para o trabalho e também os que envolvem o transporte de produtos podem ser levantados previamente.

Como a logística também depende de um acompanhamento adequado das informações, a parte de controle não pode ficar de fora. Monitorando o ritmo das atividades, o desempenho final tende a ser sempre melhor.

2. Alinhamento junto aos fornecedores

Como já foi explicado anteriormente, a cadeia de suprimentos (Supply Chain) pode envolver diversas empresas de uma só vez. Nela, uma organização pode até ser, ao mesmo tempo, cliente e fornecedor na relação com outro player.

Tendo uma dinâmica tão ampla e possibilidades das mais diversas, é preciso que a organização e a comunicação entre os envolvidos aconteçam sem ruídos, atrasos ou falhas. Para que isso ocorra, é necessário um grande alinhamento.

As pessoas precisam ter acesso fácil e direto aos canais de atendimento e relacionamento para que situações que exijam atitudes mais velozes não acabem gerando muitas dores de cabeça e prejuízo. É importante que todos saibam que o sucesso do conjunto depende do bom resultado de cada um dos participantes.

3. Previsão de demanda

Cada vez mais se fala em sistema enxuto ou puxado. Chamado ainda de lean, esta metodologia — que apesar de não ser necessariamente nova, vem ganhando muitos adeptos — sugere que a produção tenha o seu ritmo ditado pelo consumo e não pela capacidade da linha produtiva.

Na prática, o que se quer dizer é que as empresas não vão concentrar esforços em atividades que tenham a finalidade de gerar o máximo de produtos possíveis a serem estocados, aguardando o momento de venda. A visão é exatamente oposta: buscando manter um estoque minimamente abastecido, o que se procura é produzir somente o necessário e evitar desperdícios.

Partindo desse ponto de vista, o gestor precisa se concentrar em conseguir antecipar a sua demanda. Assim ele planejará a produção utilizando somente os recursos necessários e não terá capital de giro imobilizado em estoques que acabam gastando com manutenção e seguros, por exemplo.

4. Utilização de tecnologias

Dispondo de sistemas cada vez mais automatizados e que são capazes de interligar vários processos, áreas e até empresas diferentes, a gestão logística conta hoje com opções bastante interessantes quando o assunto é tecnologia.

Como o volume de informações é muito grande e a velocidade com que elas circulam é muitas vezes instantânea, não há mais como tocar uma empresa que tenha uma necessidade logística mínima de maneira analógica. O controle digital não é mais uma opção e sim uma necessidade.

Por meio de sistemas avançados é possível programar e controlar a demanda de insumos, componentes e materiais acabados na relação existente com fornecedores e clientes. Qualquer empresa que não der atenção e adotar ferramentas adequadas a desafios como esses possivelmente terá grandes dificuldades de sobrevivência em mercados cada vez mais maduros e competitivos.

Aproveitando o gancho desse assunto e da importância que ele tem para que se faça uma gestão logística de nível profissional, sugerimos que você também leia outro conteúdo que preparamos para você: 9 apps de logística que podem ser úteis na sua empresa. Com certeza, vai gostar das sugestões que preparamos!