Embalagem para produtos frágeis: entenda seu papel na logística

A embalagem é primordial para a boa apresentação e plena conservação de uma mercadoria, pois seu manuseio é intenso nas principais etapas da logística: armazenamento, movimentação interna e transporte.

E, quando se trata da embalagem para um produto frágil, os cuidados têm de ser redobrados. A importância do pacote se equipara à do item em si, já que assegura que sua qualidade seja preservada até a chegada às mãos do consumidor.

Quer saber qual o real papel da embalagem para produtos frágeis na logística? Então, continue a leitura!

Proteção da mercadoria

Existe uma grande diversidade de artigos frágeis, desde os triviais — como frutas, legumes, verduras, copos e potes de vidro — até os mais sofisticados, como taças de cristal, porcelanas finas, obras de arte e artesanato. Todos eles requerem cuidados especiais com a embalagem.

Para a proteção dos produtos, são necessários até três tipos de embalagens, dependendo do nível de fragilidade do material. Confira, a seguir, quais são!

Embalagem primária

Como o próprio nome diz, trata-se da primeira camada de proteção do produto. Ela pode ser, por exemplo:

  • um frasco;
  • blister;
  • pote de vidro;
  • lata de aço ou alumínio;
  • saco plástico ou laminado;
  • caixa longa vida (multicamada — papelão, plástico e alumínio);
  • invólucro de papel cartão;

Embalagem secundária

A segunda camada destinada a proteger o produto pode ser a caixa de exposição — individual ou que agrupe certa quantidade apropriada para o consumo —, o engradado, o pote plástico com tampa contendo sachês, por exemplo, ou um pote cartonado, também com tampa e fundo de metal, entre outros.

Essa embalagem vai envolver a primária, aumentando o grau de zelo com o objeto frágil. No caso de itens perecíveis, ela também contribui para o aumento da vida útil.

Embalagem terciária

A salvaguarda definitiva da mercadoria é proporcionada por essa camada protetora: a caixa de transporte, que agrupa várias caixas de exposição, podendo ser container, caixa de madeira ou mesmo caixa de papelão ondulado de estrutura resistente.

É ela que garante que o produto seja acondicionado na quantidade máxima possível, sem riscos de sofrer danos por abertura acidental ou incidentes. Desse modo, é possível otimizar o custo-benefício do transporte.

Além disso, tal embalagem tem de ter o peso adequado para facilitar seu manuseio pelos carregadores ou clientes — ou seja: deve respeitar aspectos ergonômicos.

Praticidade ao desembalar

Outro ponto a ser considerado quanto à embalagem para produtos frágeis é que ela deve possibilitar uma fácil retirada. O pacote não pode rasgar de forma involuntária, pelo simples manuseio, e nem exigir acessórios sofisticados para sua abertura.

A embalagem também não pode escorregar das mãos de quem manuseia o produto, já que uma queda colocaria tudo a perder. Lembre-se de que a facilidade do transporte e a qualidade da embalagem, de qualquer dos três tipos, também contribuem para a preservação da mercadoria frágil.

Comunicação com o público

A embalagem deve conter informações necessárias para todos os públicos envolvidos em seu manuseio, seja durante o transporte, o armazenamento ou o uso.

O papel da comunicação é desempenhado pelo rótulo, silk, encarte — instruções de uso, bula, receita e manual — e pelas inscrições nas caixas. Mas que tipo de comunicação o produto frágil deve transmitir para cada público? Veja abaixo!

Para o público em geral

É preciso gerar a percepção e o reconhecimento da marca, ou seja, destacar seu produto em meio aos concorrentes. Isso pode ser feito por meio de uma identidade visual singular, perante os consumidores atuais e os clientes em potencial.

Chamar a atenção é imprescindível para que, quando vir o produto, o público possa relacioná-lo a suas necessidades ou seus desejos de consumo. Assim, a fragilidade da mercadoria não se tornará um empecilho para a compra.

Um bom design de embalagem contribui para a valorização do que está dentro dela. O cliente se predispõe a pagar mais caro pelo item em virtude da sofisticação ou sentimento que a aparência do pacote evoca

Vale salientar que, quando o consumidor percebe a alta qualidade da embalagem, ele presume que o produto nela contido apresenta o mesmo nível de excelência. Isso enriquece a experiência que ele tem com a marca e pode até promover sua fidelização.

Para os transportadores e armazenadores

É necessário apresentar a simbologia padrão da indústria que indica quais são os cuidados a serem tomados com o produto frágil.

  • Direção de posicionamento das caixas: a posição correta impede dobras, abaulamentos ou amassamentos das caixas e os consequentes danos à mercadoria.
  • Empilhamento máximo: essa indicação não permite que seja colocado peso excessivo sobre a caixa, capaz de estragar o produto que ela contém.
  • Forma de amarração das caixas: é a imagem que demonstra como posicionar as caixas em cada camada do empilhamento. Aplicando essa disposição, a pilha de itens frágeis fica aprumada e estável, evitando quedas, perdas e acidentes;
  • Manuseio com delicadeza: essa orientação faz com que as caixas sejam manuseadas com o máximo cuidado, sem arremessos, choques ou impactos.
  • Proteção contra sol, temperatura ou chuva/umidade: essa instrução impede que a mercadoria seja exposta a intempéries que possam prejudicar sua qualidade, seu funcionamento ou sua conservação.

Para o cliente final

É preciso haver informações sobre cuidados no transporte, durabilidade e características da mercadoria — marca, modelo ou tipo, cor, quantidade e/ou peso —, dentre outros esclarecimentos.

A embalagem também pode conter receitas para despertar maior interesse pelo produto, instruções de uso e cuidados para sua conservação. Isso facilita a vida do consumidor/usuário final.

Bônus: 7 cuidados essenciais no transporte de um produto frágil

Como vimos até aqui, a embalagem adequada faz toda a diferença na distribuição e na comercialização de produtos frágeis. No entanto, o transporte desses itens é considerado um grande desafio logístico, uma vez que uma circulação descuidada pode causar enormes prejuízos, perdas e danos às mercadorias. 

Por isso, além de caprichar na embalagem, a empresa deve se preocupar com boas práticas de transporte. Afinal, vale lembrar que, se algum problema acontecer durante a remessa, a imagem da companhia e a satisfação de seus clientes estarão comprometidas. 

Para ajudar, confira, a seguir, 7 das principais dicas para um transporte seguro de produtos frágeis.

1. Opte por embalagens de qualidade

Quando o assunto é o transporte de cargas frágeis, tudo começa com uma boa embalagem. Ela precisa ser resistente e de altíssima qualidade.

Portanto, o papelão ondulado é o mais indicado. Além disso, é interessante que os pacotes sejam do mesmo tamanho, facilitando o empilhamento e a organização das caixas dentro do veículo. 

Outro aspecto importante é o lacre: use-o sempre que necessário e garanta que tudo esteja firmemente selado. Esse detalhe evita que o conteúdo rompa a embalagem e seja danificado durante o trajeto. 

2. Embale cada item individualmente

Mesmo que os produtos sejam acomodados em embalagens robustas, o ideal é que, na medida do possível, cada item seja protegido de forma individual primeiro. 

Plástico bolha, almofadas de ar, espumas de EPP, divisórias, espaçadores, calços e cantoneiras são bons recursos para envolver objetos que tendem a quebrar mais facilmente, como garrafas de vidro, ovos ou quadros. Esses materiais são capazes de absorver impactos e impedir que a forma dos produtos seja alterada. 

No caso de artigos farmacêuticos ou alimentícios, os cuidados devem ser redobrados. Isso porque, além da fragilidade, eles são perecíveis.

A validade e a consistência de tais itens podem ser prejudicadas se o transportador responsável desconsiderar aspectos como as condições climáticas e a umidade dentro do caminhão. Por vezes, é recomendado adotar veículos que tenham um compartimento refrigerado

Nesse setor, os danos podem acontecer de diversas formas e, por isso, o transporte deve ser criterioso. Artigos aquosos ou líquidos correm o risco de vazar ou escorrer se não forem acomodados corretamente, contaminando o conteúdo restante no veículo. 

Para redobrar a segurança, é oportuno envolvê-los com algum tipo de material absorvente que controle vazamentos. Ressaltamos, ainda, a importância de transportar itens com outros que possuam características semelhantes — no caso de algum problema, isso pode ajudar a amenizar danos.

3. Adote o empilhamento colunar

Cerca de 70% da força estrutural de uma caixa de papelão reside em suas arestas ou cantos. Sabendo disso, o empilhamento colunar se torna a melhor prática. Esse tipo de empilhamento acontece quando as caixas são posicionadas precisamente umas sobre as outras, buscando alinhar suas arestas (que são suas colunas).

Pilhas de caixas sobrepostas utilizando esse arranjo alcançam melhor resistência, pois ocorrerá uma melhor distribuição do peso nas áreas mais fortes das embalagens (as arestas), o que reduz as chances de quebras ou amassamentos, algo essencial sobretudo para objetos frágeis.

Ressalta-se, ainda, que para o empilhamento colunar funcionar com o máximo de eficiência, é importante que as caixas possuam o mesmo tamanho, seja na largura ou altura.

Procure evitar o tipo de empilhamento trançado (onde cada caixa é posicionada por sobre outras duas, no meio delas). Nessa forma de empilhamento, o peso fica concentrado na junção das caixas de baixo, sobrecarregando-as e podendo gerar nelas esmagamento. Lembrando que todo esse cuidado ao empilhar caixas só funciona em superfícies adequadas (portanto, fuja de pisos irregulares).

4. Escolha parceiros especializados

A transportadora parceira deve ter expertise na distribuição de produtos frágeis. Caso esse serviço seja internalizado, certifique-se de que sua equipe receba o treinamento adequado para lidar com cada etapa do processo. 

Os danos podem acontecer por conta não somente do transporte em si, mas como resultado de outras etapas, como empacotamento, carga e descarga. 

Dependendo do trajeto e do volume de itens, uma mesma caixa pode ter que ser manuseada diversas vezes ao longo do caminho. Um time de profissionais especializado e experiente ajuda bastante a reforçar a qualidade do transporte

Ao mesmo tempo, uma vez que lidar com esse tipo de carga faz parte de seu dia a dia de trabalho, a equipe conseguirá perceber falhas — e corrigi-las — de modo mais eficiente e rápido. Também será possível implementar melhorias, tornando a distribuição ainda mais segura. 

5. Aprimore as formas de acomodar a carga

Uma iniciativa básica, mas que pode passar despercebida, é seguir a ordem natural das coisas e acomodar cargas leves ou sensíveis sempre por cima das que são mais pesadas. Na hora de colocar as mercadorias no caminhão, um descuido do tipo pode causar um alto prejuízo. 

Além disso, intensifique a segurança das embalagens de produtos frágeis, envolvendo-as com outros materiais (como plástico, isopor ou mantas). Isso é especialmente útil para produtos eletrônicos, geralmente sensíveis, sobretudo ao contato com líquidos. Preencha os espaços vazios entre as caixas com recursos firmes e amortecedores, evitando movimentações excessivas ou colisões. 

Por mais trabalhoso que isso pareça ser, todo tipo de ideia que favoreça a precaução é válido para o sucesso do transporte. 

6. Prenda bem o conjunto 

Uma vez arrumadas dentro do caminhão, verifique se as pilhas de caixas estão bem protegidas e fixadas. O intuito é checar suas condições e evitar quedas ou choques que possam acontecer conforme o veículo passa por curvas e terrenos acidentados ou aumenta a velocidade. 

Por mais que seja necessário otimizar o espaço na carroceria, prefira fazer pilhas com uma altura razoável e acomodar as caixas próximas umas das outras de forma inteligente, como se estivesse encaixando os elementos de uma construção. 

Colunas enormes de pacotes podem escorregar ou tombar no meio da estrada. Além do risco de ter seu conteúdo quebrado, as embalagens podem cair por cima de outras e danificar os demais produtos. Portanto, planeje bem a forma como vai agrupá-las no caminhão e prenda o conjunto firmemente, usando instrumentos apropriados, como gaiolas ou cordas. 

Outro conselho importante é cuidar para não carregar em demasia o veículo e ter problemas com excesso de peso. Respeitar os limites é crucial para fazer entregas bem-sucedidas. 

7. Considere o uso de tecnologia qualificada 

A tecnologia aplicada à logística se torna cada vez mais essencial nos dias de hoje. Esse é considerado um fator imprescindível para agregar valor ao transporte e torná-lo mais competitivo. 

Para garantir a segurança e a qualidade da distribuição de suas mercadorias sensíveis, adote softwares de rastreamento de carga e monitoramento — ou contrate-os com transportadoras que invistam em inovação. 

Tais sistemas permitem um acompanhamento em tempo real do status da movimentação de produtos. Além deles, tecnologias como a telemetria viabilizam o controle remoto do desempenho dos condutores. 

Desse modo, os gestores têm como saber se questões como excesso de velocidade ou frenagens bruscas — que podem acometer cargas frágeis — estão, de fato, acontecendo e quais medidas precisam ser tomadas. 

Quando pensamos em uma embalagem para produto frágil, todos os holofotes convergem para o grau de proteção e conservação que ela vai proporcionar. Esse, sem dúvida alguma, é um ponto crucial para tal tipo de mercadoria. 

Com as condições ideais e boas práticas de transporte, as empresas são capazes de contornar os desafios comuns da distribuição de mercadorias sensíveis e garantir que elas cheguem ao destino com a integridade necessária para deixar o cliente satisfeito.

Gostou de aprimorar seus conhecimentos sobre a logística necessária a um produto frágil? Que tal descobrir, agora, como garantir a segurança no transporte de mercadorias? Até a próxima!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"