Você conhece os 12 princípios básicos da armazenagem?

Desenvolver e aplicar estratégias inteligentes de logística é parte fundamental do processo de crescimento de toda empresa. O desempenho desse setor impacta diretamente no funcionamento interno e, consequentemente, nos resultados financeiros. E um dos fatores primordiais para se ter uma logística eficiente é ter atenção aos princípios básicos da armazenagem.

Entretanto, é comum que surjam algumas dúvidas em relação a esse assunto. O que muitos gestores não sabem é que, com a evolução dos estudos nessa área tão valorizada da logística, surgiram técnicas e conceitos para lidar com isso. Mostraremos aqui os 12 princípios básicos da armazenagem para que você saiba a melhor maneira de aplicá-los na sua empresa. Confira!

1. Planejamento

Em primeiro lugar, é fundamental possuir um planejamento de armazenagem bem definido. Comece verificando se as condições físicas e técnicas do espaço atendem às necessidades da empresa, considerando as características daquilo que será armazenado.

É preciso levar em conta o manuseio desses materiais, a eventual necessidade de equipamentos e treinamento para isso. Não se esqueça que a segurança dos funcionários deve ser sempre prioridade!

2. Flexibilidade operacional

Movimentação e manuseio, como citamos anteriormente, são fatores importantes para uma boa armazenagem. Por isso, é importante garantir que o ambiente operacional se adeque às necessidades desses processos.

Portas, corredores de acesso e docas, por exemplo, devem ser adaptados para facilitar a movimentação interna. Além disso, equipamentos e ferramentas destinados ao manuseio desses itens devem ser de fácil acesso.

3. Simplificação

Ao projetar esses espaços, lembre-se de que a possibilidade de receber e manusear os produtos de forma simultânea e ágil é fundamental para a otimização dos processos de logística.

Isso significa que o arranjo físico deve ser o mais simples possível, de forma a proporcionar um aproveitamento maior do ambiente. Os fluxos de entrada e saída precisam ser simplificados, de modo que a burocracia necessária, por exemplo, não seja um obstáculo à movimentação dos produtos.

É importante que os itens de chegada sejam logo armazenados, assim como sua saída seja facilitada pela disposição física do local.

4. Integração

Assim como é preciso que haja uma configuração física que possibilite a movimentação simultânea de itens a serem armazenados ou acessados, outros processos relacionados à logística devem ocorrer de forma integrada.

Documentação, notas fiscais e registros de entrada e saída, por exemplo, são itens que não podem ser simplesmente ignorados. Por isso, o processo de preenchimento deve ser integrado ao funcionamento geral da logística, e não apenas somado a ele.

Defina de forma clara em que momento cada um deve ser realizado para que eles não criem gargalos, atrasando o processo de armazenagem como um todo.

5. Otimização do espaço físico

Em relação à armazenagem individual de cada tipo de item, é fundamental que haja uma otimização da distribuição e localização desses materiais. Não só transporte e movimentação devem ser facilitados, como é preciso considerar a característica específica de cada produto.

Isso significa que você deve levar em conta o peso e tamanho dos itens, assim como questões como produtos líquidos, inflamáveis, perecíveis, entre outros.

Não se esqueça de que os produtos que possuem fluxo mais constante de entrada e saída precisam ser mais acessíveis e distribuídos de forma a não impedir o acesso a outros.

6. Otimização de equipamentos

Para garantir que os processos citados anteriormente não sejam prejudicados por falta ou mal-uso dos equipamentos de movimentação e transporte de itens armazenados, é importante desenvolver um planejamento que descreva os procedimentos de uso de cada ferramenta.

Isso significa, também, dimensionar e padronizar o sistema de uso desses equipamentos entre as equipes responsáveis. Dessa forma, a empresa não sofrerá com empecilhos gerados por falta de ferramentas suficientes para todos os funcionários, além de evitar gastos desnecessários com equipamentos que não possuem demanda de uso tão alta.

7. Verticalização

Uma das características de um bom planejamento para armazenamento é possuir o melhor aproveitamento possível do espaço vertical de cada área. Principalmente no que diz respeito a itens acessados com menor frequência. Portanto, o ideal é projetar um espaço de armazenamento que possibilite utilizar a altura de forma otimizada.

É importante lembrar que, para isso, você deve levar em conta questões como mobilidade, acessibilidade dos equipamentos e, principalmente, a segurança dos operadores responsáveis pela armazenagem.

8. Mecanização

Com a evolução da tecnologia, muitas áreas tiveram sua funcionalidade alterada de forma a economizar tempo e esforço em trabalhos antes realizados manualmente. A movimentação de materiais é uma delas.

A mecanização de certos processos pode oferecer um custo-benefício interessante para empresas que realizam a movimentação padronizada de certos materiais. Vale a pena estudar as alternativas que a tecnologia permite para a otimização do seu sistema logístico.

9. Automação

Outro conceito aliado ao de mecanização é o de automação dos processos de armazenagem e gerenciamento de informações da área de logística. Empresas que possuem um alto fluxo de entrada e saída de materiais podem conquistar grandes avanços com a automação de certas atividades.

Verifique as características específicas de sua empresa e as opções que sistemas especializados podem oferecer como soluções de otimização.

10. Controle

O alicerce de qualquer sistema de gestão interna de uma empresa é a realização de um controle eficaz dos processos. O controle de logística inclui não só planejar e implantar, mas acompanhar cada etapa dos sistemas de entrada, registro e armazenagem de cargas.

Além disso, é fundamental que se desenvolva um rígido controle sobre o inventário físico de produtos e mercadorias, o acesso realizado pelos funcionários e o registro de saídas e entregas, agilizando o processo de retirada.

11. Segurança

Assim como inerente a outros tópicos relacionados aos funcionários, o princípio da segurança também deve incluir a preservação dos itens armazenados. A integridade física de mercadorias deve ser ponto crucial do projeto da área de armazenagem.

Lembre-se de manter os profissionais bem capacitados e treinados para manusear corretamente equipamentos e cargas, preservando a segurança interna de toda a área e, consequentemente, a saúde financeira da empresa.

12. Preço

A gestão dos processos de armazenagem é fundamental para que você possa estipular os custos e investimentos necessários para que a empresa mantenha a área em bom funcionamento. Essas informações serão de grande importância para calcular as taxas corretas e repassar este valor ao produto final.

O resultado é um sistema que, de forma integrada, provê segurança e rapidez nos processos de armazenagem da empresa, garantindo a qualidade do trabalho realizado pela instituição.

Aplicando os princípios básicos da armazenagem

Agora que você já domina os princípios básicos da armazenagem, faça uma análise do seu sistema de logística e aplique esses conceitos!

Gostou do post? Então assine nossa newsletter e receba outras dicas que levarão sua empresa a um novo patamar de qualidade!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"