Entenda a importância do design de embalagens para a sua marca!

Muito se ouve que a primeira impressão é a que fica, e no design de embalagens essa máxima se encaixa perfeitamente. A embalagem, principalmente no varejo, é o primeiro contato do cliente com um produto.

Além da função básica de proteção, o design de embalagem pensa em diversos outros aspectos que são essenciais para a relevância do produto no mercado.

Planejar a embalagem de seu produto vai muito além da caixa. Os profissionais da área sabem lidar exatamente com o que você precisa para diferenciar seu produto e agregar os valores  tangíveis e intangíveis  que os consumidores esperam.

Além de influenciar o poder de decisão de compra do cliente, a embalagem pode atuar em diversos aspectos percebidos pelo consumidor. Neste texto, vamos entender como funciona o design de embalagens e como ele é essencial para o fortalecimento do seu negócio.

Qual o destaque da embalagem?

No mercado atual, em que somos inundados por novos produtos diariamente, a concorrência é bastante agressiva. Uma das formas de se sobressair nesse cenário é buscar a diferenciação do produto diante dos demais.

Para ilustrar essa situação, imagine-se entrando em um supermercado, onde existem vastas prateleiras (algumas que são até mais altas que você). Nem sempre é fácil achar o que realmente está procurando.

Em uma situação como essa, algum produto ali lhe chamou a atenção, influenciando a sua decisão de compra, e você acabou adquirindo-o, mesmo que esse não seja o real motivo da sua ida àquela gôndola. Esse é apenas um dos exemplos de como a diferenciação pelo design de embalagem funciona de maneira prática no dia a dia.

Investir no design de embalagens é uma ferramenta essencial nessa competição. No varejo, a disposição de um determinado produto é determinada por muitos fatores, sendo que o principal é o investimento do fabricante naquele espaço (para que seu produto fique na altura dos olhos do cliente).

A psicologia das cores nas embalagens

As cores interferem no comportamento humano e até mesmo na primeira impressão que outras pessoas têm sobre você. Mas a psicologia das cores vai além da vertente social e assume destaque no âmbito dos negócios.

Elas consistem em um recurso visual altamente influenciador para o índice de vendas de uma mercadoria. Conforme pesquisa publicada pela Quicksprout, o uso adequado de cores nas embalagens de produtos impacta em 85% nas decisões de compra dos consumidores.

Imagine uma loja de roupa infantil que tenha selecionado a cor preta para marcar sua identidade: objetos, produtos, paredes e portas serão escuras. A escolha não é adequada, porque essa cor torna o ambiente mais sério, fúnebre ou adulto, perspectivas contrárias de um ambiente destinado às crianças.

Apesar do exemplo evidente acima, mudanças sutis também abalam as decisões dos clientes. A pesquisa da Quicksprout mencionada anteriormente evidencia que o roxo é a cor preferida de 23% das mulheres, enquanto 0% dos homens gosta dessa cor.

Assim, é razoável assumir, por exemplo, que produtos cujo público-alvo é feminino terão suas vendas aumentadas ao utilizar a cor roxa em seu design, o que não acontecerá com o público masculino.

Quais são as funções da embalagem?

Além de pensar na embalagem disposta na prateleira, os profissionais da área projetam pensando em fatores de igual importância, como:

Proteção do produto

Uma das funções básicas da embalagem é a proteção do produto e o material da embalagem é um dos pontos cruciais para isso. Se o produto é frágil, a embalagem deve proteger o conteúdo de danos causados por impacto.

Caso seu produto seja sensível à luz, proteções contra UV devem ser aplicadas na parte que está em contato com o produto. Vários cenários devem ser analisados, pois diferentes fontes podem causar danos aos produtos, resultando em um marketing negativo e em prejuízos diretos à empresa.

É preciso ter em mente que, dependendo do material utilizado na embalagem, a proteção oferecida aos produtos também muda. Há uma gama de opções de materiais com diferentes custos, rigidez, aparência, durabilidade, entre outras características que devem ser consideradas pelo administrador.

Eles podem ser adequados, ou não, para cada produto, tanto no quesito de transporte quanto para proteção. A seguir, explicamos sobre os materiais mais comuns e o nível de proteção garantido por cada um deles.

Plástico

Esse é ideal para vários tipos de produtos, pois pode vir em diferentes tamanhos e formas. Quanto à proteção, pode-se dividir o plástico em duas categorias:

  • rígido: boa opção para substituir o vidro se deseja reduzir os custos de um produto, mais utilizado no formato de caixa e garrafa;
  • maleável: modelo mais funcional e prático, pois é fácil de ser transportado, indicado para alimentos e objetos mais simples, como materiais de estudo e produtos de limpeza.

Vidro

Material prático que pode ser exposto ao calor sem liberar susbtâncias quimicamente contaminantes para seu conteúdo. Entretanto, quebra facilmente e necessita de mais cuidados no transporte. Recomenda-se utilizar uma segunda embalagem de papelão para garantir a segurança.

Papelão

Esse é o mais prático e versátil entre os exemplos, além disso, possibilita vários modelos que são adequados para uma grande quantidade de produtos. Alguns deles são:

  • aba total;
  • maleta básica;
  • corte e vinco;
  • aba parcial;
  • caixa de pizza;
  • caixa de sapato;

Além do preço acessível, tem durabilidade, capacidade de isolamento e assegura proteção para uma ampla gama de produtos, até mesmo alimentos. Seu aspecto negativo consiste no fato de que deve ser mantido longe da umidade.

Alumínio e aço

São leves, duráveis e fáceis de serem reciclados. Entretanto, são custosos e podem sofrer pequenas fissuras durante o transporte, que permitem a entrada de microrganismos, contaminando alimentos. É importante saber a diferença entre os dois materiais:

  • alumínio: adequado para proteção de alimentos não sensíveis, como bebidas e conservas em geral;
  • aço: proporciona maior isolamento ao meio externo. Por isso, são mais utilizados para embalar frutas, vegetais e sucos.

Transporte e logística

Outra função básica da embalagem é a de transporte. A embalagem deve facilitar a logística, tanto na hora de armazenar quanto ao mover em grandes e pequenas escalas. Nesse caso, ainda deve-se pensar além da embalagem unitária, considerando a embalagem para transporte que sairá da fabricação até o local de venda.

Quanto mais embalagens unitárias couberem, justapostas em outra embalagem (prezando ainda pela proteção do produto), mais se economiza com transporte, pois menos viagens terão de ser feitas para transportar a mesma quantidade do produto.

Já quando pensamos na embalagem unitária do produto, ela deve ser um agente facilitador do transporte do produto ao cliente, oferecendo praticidade e conforto. Outro aspecto importante consiste no meio de transporte dos produtos. Existem vários modais que podem ser ou ter a melhor relação custo-benefício para suas mercadorias. São eles:

  • rodoviário: consiste nas entregas feitas em estradas por caminhões, carros e outros veículos. Normalmente transportam cargas gerais armazenadas em caixas de papelão, madeira ou tambores, cargas líquidas e seca (trigo), frigoríficos, como carnes e frutas frescas, e substâncias perigosas, como gases e oxidantes;
  • ferroviário: acontece pelas linhas férreas, costuma transportar cargas grandes como grãos, minérios e combustíveis;
  • hidroviário:  transporte marítimo, tem grande capacidade, é adequado para abastecer lugares mais isolados, cujo acesso mais fácil é de barco;
  • aeroviário: facilita o comércio internacional e trabalha com agilidade, recomendável para transportar mercadorias de alto valor ou de urgência.

Ferramenta do branding

O branding é um conjunto de práticas que visam a construção, valorização e gestão de uma marca. Assim como o branding ajuda a pensar como sua marca se posicionará no mercado, a embalagem também atua nesse mesmo cenário.

O design da embalagem deve ser pensado para que o posicionamento do produto, a exposição da marca e o fortalecimento da relação com o cliente sejam feitos da forma mais efetiva possível.

A embalagem em display pode ser o primeiro contato de um novo cliente com o produto ou marca, então ali se tem uma enorme chance de fidelizá-lo.

Ferramenta de marketing

O design de embalagem tenta orientar o posicionamento do produto no mercado, ao mesmo tempo em que tenta satisfazer os desejos dos consumidores-alvo.

A embalagem pode ser uma forma de propaganda de prateleira da marca ou produto, pois estabelece contato direto com o consumidor. Além disso, a embalagem, quando bem desenvolvida, cria uma associação direta entre o produto e a marca com a qual ele se relaciona.

Sustentabilidade e proteção ao meio ambiente

Atualmente, agir de forma sustentável é uma prática essencial para se destacar no mercado. Os materiais e dimensões devem ser projetados levando uma série de fatores em conta, incluindo formas de economia de matéria-prima.

Considerando que muitas embalagens são descartadas após a compra ou uso do produto, o design de embalagem entra como uma alternativa a isso. Embalagens recicláveis, reutilizáveis ou já feitas com matéria-prima reciclada contribuem para um menor impacto ambiental, melhorando a imagem e premissa ecológicas do produto, ideia cada vez mais valorizada pelos consumidores. Tudo isso pode ser um fator adicional de publicidade para potencializar as vendas de um produto.

Investir no design de embalagens dá resultado?

O resultado de uma recente pesquisa feita pela Confederação Nacional das Indústrias — CNI e publicada pela Sebrae mostra que 75% das empresas que investiram em design teve aumentos nas vendas, sendo que 41% também conseguiu reduzir custos.

A pesquisa ainda indica que o consumidor, quando se depara com produtos semelhantes, escolhe aquele que possuir a embalagem mais atraente e prática, estando disposto até a experimentar novas marcas se elas possuírem essas características.

As vantagens de investir no design de embalagens são diversas e sua atuação é muito estratégica no mercado atual. Há promoção do produto, aumento da competitividade no mercado, fortalecimento da marca, influência na decisão de compra e fidelização de novos consumidores.

Confira nosso artigo que traz 5 passos práticos de como fortalecer sua marca e torná-la mais conhecida no mercado!

Saiba como organizar a gestão estratégica de custos da sua empresa

Você sabe como funciona a gestão estratégica de custos? É uma abordagem que exige de todo empresário um bom conhecimento do próprio negócio, da administração e controle dos custos gerados na produção e comercialização dos seus serviços ou produtos.

Certamente, o preço final sempre depende do investimento feito, e essa gestão deve ser eficaz para que os valores não fiquem incompatíveis com a realidade, prejudicando a margem de lucro, o volume de vendas e até mesmo o andamento geral do negócio.

Portanto, gerir os custos com foco estratégico significa mais eficiência nos processos produtivos e, com isso, maior lucratividade. Mas, como reconhecer e administrar tudo isso na prática?

Identificando o que é custo

Em primeiro lugar, é importante saber que custo é diferente de despesa. O truque para diferenciar um do outro é fazer a seguinte pergunta: “se esse gasto for eliminado, a produção será diretamente afetada?” Caso a resposta seja sim, trata-se de custo e não de despesa.

Custo é um bem ou serviço usado para a produção de mais bens e serviços. É tudo o que a empresa utiliza para produzir ou fabricar. Por exemplo: matéria-prima, insumos, energia necessária para a produção, encargos de mão de obra e salários.

Os custos são, ainda, classificados como diretos e indiretos. Diretos: são os mais evidentes, como a matéria-prima e os insumos. Indiretos: são aqueles embutidos no processo, como: lubrificantes de máquinas industriais, energia elétrica e outros similares.

Seguindo essa lógica, os gastos feitos com a manutenção da área fabril e transporte de pessoas são tidos como despesas. E o investimento, onde entra?

Identificando o que é investimento

Eis aqui mais um tipo de gasto, porém, este opera como uma aplicação de recursos com expectativa de retorno financeiro futuro. Investimentos são aplicados tanto na aquisição de novos bens para aumentar a produção da empresa quanto na aplicação em produtos financeiros para render riqueza ao negócio. No setor industrial, investimento é realizar compras de novo maquinário, veículos, ferramentas, equipamentos etc.

A confusão entre investimentos e despesas também pode acontecer. Para facilitar a compreensão, usaremos um exemplo: se você fizer a reforma de um prédio para manter o que já existia anteriormente, esse gasto será uma despesa com manutenção. Se o mesmo gasto aumentar a área útil ou o patrimônio da empresa, será um investimento, pois acrescenta um plus ao negócio como um todo.

Escolhendo bons fornecedores

Escolher os fornecedores é um passo fundamental em qualquer negócio, já que requer alinhamento de propósitos, confiança e segurança baseados na lealdade e compromisso entre as partes. Eles devem ser parceiros, caminhando lado a lado no empreendimento, uma vez que serão os responsáveis pelo suprimento da matéria-prima de que o seu negócio necessita para funcionar adequadamente.

Se os fornecedores são ruins, os processos acabam prejudicados, o fluxo de produção e entregas ficam comprometidos, sem falar na queda da qualidade. Para evitar esses infortúnios, recorra a alguma indicação de outros empresários da sua região, à internet ou às associações locais voltadas ao mercado.

Esses contatos costumam manter informações detalhadas dos fornecedores, com dados de experiência e características essenciais da prestação dos serviços. Cerque-se das melhores sugestões e garanta que as necessidades do seu negócio serão satisfeitas, a fim de manter a qualidade dos produtos ou serviços.

Fazendo uma análise periódica do fluxo de caixa

Lembre-se que toda gestão estratégica de custos competente precisa dominar totalmente o fluxo de caixa, ou seja, fazer o controle da movimentação financeira, mantendo relatórios periódicos para avaliar as entradas e as saídas de dinheiro a partir de registros detalhados.

A fim de que o processo tenha o máximo de eficiência, relacione todas as despesas e receitas, por mínimas que sejam. Em vez de planilhas, adote ferramentas mais complexas, como um sistema de gestão on-line, que dará um suporte mais completo ao seu trabalho.

Organizar a gestão estratégica de custos da sua empresa não é tão difícil. Basta um pouco de disciplina e paciência para colocar tudo na “ponta do lápis” e garantir a tranquilidade e o sucesso do empreendimento.

Se você deseja aprofundar-se nas dicas de redução de custos da sua empresa, acesse mais posts sobre esse assunto e fique por dentro. 

Escolhendo a embalagem certa para uma boa gestão estratégica de custos

Nós da Embalagens M2B buscamos oferecer embalagens de papelão ondulado que superem a simples ideia de custo e de fato agreguem valor aos produtos de nossos clientes, transformando-se em um verdadeiro investimento para encantar e fidelizar consumidores, sendo portanto uma ótima decisão da gestão estratégica de custos. Nossa missão é produzir caixas de papelão que gerem negócios para nossos clientes. Faça um orçamento sem compromisso, é simples e rápido. Será um prazer atentdê-lo.

Saiba por que usar embalagens sustentáveis no seu negócio

Toda atividade humana gera impactos ambientais, em maior ou menor grau. Por isso, minimizar esses danos é o centro da chamada sustentabilidade ambiental. De acordo com ela, devemos suprir nossas necessidades atuais sem que isso coloque em risco a existência das gerações futuras.

Uma das maneiras de fazer isso é repensar nossa utilização das embalagens, normalmente feitas de materiais inadequados e utilizadas por pouco tempo, gerando um grande volume de lixo. Então, para contornar esse problema, surgiram as embalagens sustentáveis.

Quer conhecer as suas vantagens e entender como é possível adotá-las no seu negócio? Acompanhe este texto até o fim e tire todas as suas dúvidas!

Quais são os impactos negativos das embalagens não sustentáveis?

Para compreendermos melhor como as embalagens sustentáveis são benéficas para o meio ambiente, vejamos, antes, como as embalagens comuns podem nos ser prejudiciais. Confira suas principais desvantagens:

Acúmulo de lixo em ruas, aterros e lixões

De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente, um terço do lixo doméstico é composto de embalagens — e 80% dessas embalagens são utilizadas apenas uma vez

Isso representa um grande volume de lixo que acaba parado em aterros sanitários e lixões, que nem sempre contam com a condição adequada, ou mesmo nas ruas, entupindo os canais de escoamento das águas da chuva e colaborando com as enchentes.

Poluição marinha

Uma preocupação mais recente é a poluição marinha, principalmente por causa do plástico lançado nas águas dos mares. A estimativa é que, todos os anos, 8 milhões de toneladas de plástico se acumulam nesses ecossistemas. Com isso, grandes manchas de lixo já se formaram em alguns pontos do oceano, prejudicando diretamente a vida marinha.

Gasto de energia, água e matérias-primas

Boa parte das embalagens não sustentáveis causam danos ao meio ambiente desde o momento em que são produzidas. O plástico, por exemplo, é um derivado do petróleo — um combustível poluente e não renovável. Além dessas matérias-primas, é comum que a produção desses itens demande ainda muita água e energia elétrica.

Dificuldades de reutilização ou reciclagem

O reaproveitamento ou a reciclagem de parte do lixo produzido seria uma boa alternativa para mitigar os impactos. Esse hábito, contudo, ainda não é amplamente difundido em nosso país — e alguns materiais sequer são passíveis de reciclagem.

Dados disponibilizados em 2017 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) refletem tal afirmação: apenas 13% dos resíduos produzidos no Brasil naquele ano foram encaminhados para a reciclagem.

Quais são os benefícios das embalagens sustentáveis?

Os fatos mencionados até reforçam a necessidade de se investir em embalagens sustentáveis e reduzir os danos causados tanto pela produção quanto pelo descarte incorreto do lixo. Confira, agora, quais são os benefícios que essa atitude traz tanto para o seu negócio quanto para a natureza:

Fortalecimento da marca

Cada vez mais clientes valorizam e preferem produtos que demonstrem uma preocupação ambiental. É essencial, portanto, escolher uma embalagem sustentável, para que isso fique demonstrado já no primeiro contato que o consumidor terá com a marca. Esse compromisso pode ser reforçado perante o consumidor através de impressões e grafismos diretamente nas embalagens de produtos, fortalecendo o conceito de empresa eco-friendly.

Vale ressaltar, contudo, que essa relação entre marca e sustentabilidade deve ser sincera, não apenas uma estratégia de marketing. A questão ambiental precisa estar presente em todos os estágios da produção, sob pena de a sua imagem ficar manchada no mercado.

Redução de custos

Embalagens sustentáveis também ajudam no quesito financeiro. Como são feitas utilizando-se menos material — e, geralmente, por meio da reciclagem — elas rendem uma economia que, se bem aproveitada, pode ampliar o seu retorno.

Reforço na necessidade de colaborar com o meio ambiente

O emprego de embalagens sustentáveis serve como exemplo para que os consumidores também se engajem na preservação do meio ambiente. Elas podem, inclusive, conter mensagens que incentivem o reaproveitamento, a reciclagem ou o descarte apropriado daquele material.

A mesma lógica vale para os colaboradores da empresa que escolhe uma embalagem ecologicamente correta.

Aproveitamento de benefícios legais

Diante da necessidade de preservar o meio ambiente, várias legislações estão sendo implementadas para garantir o menor impacto possível durante a produção, transporte ou comercialização de qualquer produto. Por isso, é muito importante seguir as regulamentações de cada área.

Nesse sentido, a adoção de embalagens sustentáveis, que atendam às especificações da lei, costuma ser uma forma de usufruir de incentivos que buscam justamente incrementar a utilização de formas menos agressivas de produção.

Uso de matérias-primas renováveis

Embalagens sustentáveis são feitas de matérias-primas renováveis, quando não recicláveis. Esse fator reduz o impacto causado pela extração de materiais necessários à produção de embalagens não-sustentáveis.

Possibilidade de reaproveitamento

Algumas embalagens sustentáveis ainda combatem um dos principais problemas das embalagens comuns: seu descarte instantâneo após serem utilizadas apenas uma vez. Com o reaproveitamento, novas embalagens deixam de ser produzidas, e o volume de lixo produzido cai consideravelmente.

Quais são os principais tipos de embalagens sustentáveis?

Depois de descobrir quais são os benefícios das embalagens sustentáveis, falta-nos entender o que caracteriza uma embalagem desse tipo e quais são as principais opções disponíveis hoje no mercado.

Embalagens sustentáveis são aquelas feitas com materiais recicláveis, reaproveitáveis ou de origem orgânica. Assim, podemos citar como exemplo as garrafas e os potes de vidro, o alumínio e o papelão como as opções mais comuns.

O vidro tem muito potencial de reutilização: basta pensarmos nas garrafas de bebidas que vão e voltam várias vezes do comércio. Já o alumínio é o material mais reciclado no Brasil: só em 2016, foram enviadas para a reciclagem 280 mil toneladas desse resíduo.

No caso das caixas de papelão, sua sustentabilidade vem desde a origem, já que boa parte delas é proveniente de reciclagem. Além disso, essas caixas são confeccionadas em diversos tamanhos, o que reduz o desperdício de material, e podem ser reaproveitadas para carregar outros itens, sendo recicladas novamente. Por fim, elas ainda oferecem um excelente custo-benefício!

Caixas de papelão produzidas pela Embalagens M2B, por exemplo, são referência em sustentabilidade — 80% de tudo o que é produzido pela empresa é proveniente de fontes recicladas de alta qualidade, o que contribui para a preservação dos recursos naturais.

Para ampliar esse cuidado, todos os resíduos de papelão gerados na produção são enviados para a reciclagem, e ainda existe uma busca constante para que a geração de material descartado seja cada vez menor.

Enfim, é fato que o planeta é incapaz de resistir por muito tempo ao nosso padrão atual de consumo, sobretudo devido ao crescimento da população global. Por isso, a preservação da natureza é responsabilidade de todos nós — e o emprego de embalagens sustentáveis pode estar incluído nesse movimento de mudança capaz de garantir o bem-estar nosso e das futuras gerações!

E aí, gostou do nosso post? Está precisado repensar as embalagens do seu negócio? Então entre em contato com a Embalagens M2B e confira as melhores soluções com preços competitivos!

Marketing para pizzaria delivery: 7 dicas essenciais

Gerar visibilidade para o negócio é o objetivo de qualquer empresa hoje em dia, principalmente pelo fato da internet ter aumentado a competitividade de mercado. Sendo assim, se você está querendo investir em marketing para pizzaria delivery, saiba que esse é um grande diferencial que pode atrair mais clientes.

Além disso, a criação de ações e estratégias de marketing agrega valor à marca, aumenta as vendas exponencialmente e pode fazer com que a pizzaria se destaque de seus concorrentes. Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura e confira nossas sete dicas essenciais para realizar o marketing para pizzaria delivery.

1. Ofereça o serviço no site da pizzaria

Fatores como a popularização dos dispositivos móveis e do acesso à internet fizeram com que o site se tornasse um dos canais de comunicação mais importantes das empresas. Portanto, é fundamental oferecer a possibilidade dos clientes realizarem os seus pedidos por meio dele. É preciso incluir todas as informações sobre os seus produtos e disponibilizar a estrutura necessária para que ele funcione adequadamente.

O ideal é ter os dados evidenciados de forma simples e intuitiva e proporcionar um carrinho de produtos para que os usuários adicionem tudo o que desejarem consumir. Além de informações para os demais canais de comunicação como aplicativo, telefone, e redes sociais.

2. Tenha uma presença ativa nas redes sociais

Falando em redes sociais, uma estratégia consistente de marketing para pizzaria delivery precisa incluir a forte presença nas redes sociais. Isso porque elas são um dos canais de divulgação e contato mais importantes da atualidade, independentemente de qual seja o porte ou região de atuação da empresa.

Além de promover todo o material de comunicação da pizzaria — folders, cardápios, promoções — é importante produzir conteúdo relevante para os seguidores, estimulando o engajamento entre os usuários e o seu negócio.

Responda a todos os comentários dos clientes com profissionalismo e ética, sejam positivos ou negativos. Divulgue curiosidades e conteúdos informativos. Inclua pesquisas e quizes para estimular a interação e aumentar o engajamento.  Uma dica extra é oferecer promoções exclusivas para as redes sociais. Isso atrairá ainda mais seguidores.

3. Aposte em um plano de fidelidade

Outra ação que tem sido aderida por empresas de variados segmentos do mercado são os planos ou programas de fidelidade, que consiste em um cadastro no qual o cliente acumula pontos à medida que consome com a pizzaria. Após um determinado número de pedidos, ele recebe um presente do estabelecimento.

A cada pizza que o cliente pede, um cupom é emitido e adicionado ao seu cadastro. Após comprar 10 unidades, você pode oferecer uma pizza grátis ou qualquer outro prêmio que o estimule a continuar comprando.

Sem dúvida, é uma das estratégias de marketing para pizzaria delivery mais eficientes, pois é vantajosa tanto para a empresa, que fideliza o seu cliente, estimulando-o a comprar sempre, quanto para o cliente, que consome sabendo que terá uma retribuição adicional.

4. Crie promoções para os seguidores

As redes sociais são ótimos canais de comunicação e divulgação para as empresas, pois não apenas ajudam a promover os produtos, mas também proporcionam recursos de comunicação aos clientes. Dado o contexto, oferecer promoções exclusivas e benefícios apenas para os seguidores é uma tática que vem ganhando cada vez mais popularidade no meio corporativo.

Você pode criar uma campanha no Instagram para ações promocionais. Por exemplo, cada cliente que postar uma foto de uma pizza que comprou em sua pizzaria, usando a hashtag da empresa, ganha um código promocional, vale-brinde, sobremesa grátis ou desconto na próxima compra.

Há também a possibilidade de mesclar suas ações de marketing nas redes sociais com promoções sazonais. Incentivar a quem fizer uma declaração especial em uma data comemorativa, utilizando a hashtag da pizzaria é uma tática atrativa. Como recompensa, o cliente poderá ganhar uma oferta exclusiva.

A criatividade é o limite na hora de elaborar as ações promocionais. Além de aumentar o poder de divulgação da sua empresa, esse tipo de estratégia gera engajamento nas mídias digitais, atraindo cada vez mais clientes.

5. Invista em fotos profissionais e na identidade visual

A identidade visual de negócios do setor alimentício é um dos aspectos mais importantes no que diz respeito ao marketing. Quanto mais bonitas e profissionais forem as fotos de suas pizzas, mais atrativas elas parecerão pelo ponto de vista dos consumidores. Afinal, quem é que nunca ficou com fome ao passar em frente a um outdoor de um restaurante, não é verdade?

Estratégias que envolvem divulgação visual são muito importantes para esse tipo de estabelecimento. Não apenas as fotos do cardápio, mas a identidade visual como um todo, abrangendo desde as fontes do logotipo da empresa, até as cores e a decoração interna da pizzaria.

Tudo deve ser minuciosamente pensado para que os clientes memorizem a sua marca e associem-na sempre com a vontade de pedir e saborear uma pizza. Considere contratar profissionais especializados para lidar com essas questões.

6. Esteja nos aplicativos de pedidos no celular

Aplicativos como o iFood, Glovo, Uber Eats e Pedidos Já dispensam apresentações, concorda? Esse tipo de solução dominou o mercado e conquistou até os mais leigos dos usuários. Por isso, é imprescindível que a sua pizzaria faça uso dessa tecnologia. Além de aumentar as vendas, isso garante uma ótima posição competitiva em relação aos estabelecimentos de sua região. Há também a possibilidade da pizzaria criar seu próprio aplicativo, contratando profissionais especializados nessa área tecnológica. Dessa forma, é possível ter um canal direto com o consumidor, evitando intermediários e taxas adicionais.

7. Personalize as embalagens para alavancar o marketing para pizzaria delivery

Por fim, precisamos falar sobre o importante papel das embalagens personalizadas. Consideradas como um dos artifícios de maior relevância na publicidade de uma marca, o seu poder de alcance não se limita apenas ao ponto de venda, pois viaja e passa pela percepção de muitas pessoas. Assim, elas têm a oportunidade de fazer com que sua marca entre na casa dos clientes, não é verdade?

É uma estratégia que pode influenciar o poder de decisão de compra. Por isso, utilize seu potencial para divulgar e incentivar o serviço de entrega. Lembre-se de constar na caixa de pizza as informações básicas de contato e seguir a regra do “menos é mais”. Ou seja, seu design deve ser simples e intuitivo, mas impactante a ponto de firmar o conceito da marca nos consumidores.

No contexto de uma pizzaria, é importante que ela também seja resistente a ponto de conservar o conteúdo interior, garantindo que os clientes recebam a pizza quentinha e em perfeitas condições, sem que o calor estrague o visual exterior. Para obter embalagens personalizadas e de alta qualidade é fundamental procurar uma empresa com vasta experiência neste segmento.

Como você pôde conferir neste conteúdo, o marketing para pizzaria delivery engloba uma série de fatores que estão diretamente ligados ao perfil do público-alvo da empresa: estar nas redes sociais, aplicativos de entrega de alimentos e ter um site funcional. Além disso, uma embalagem com identidade visual criativa e eficiente pode fixar o conceito da marca e garantir compras futuras em seu estabelecimento.

Você ainda tem alguma dúvida sobre como as embalagens são importantes no marketing para pizzaria delivery? Quer entender melhor como a nossa equipe pode ajudar? Então, entre em contato conosco para saber mais!

Afinal, qual é a embalagem correta para alimentos in natura?

A embalagem é fundamental para que os produtos da empresa causem uma boa primeira impressão aos consumidores, entretanto, uma embalagem para alimentos in natura deve ser específica, dependendo das qualidades da mercadoria.

Negligenciar o tipo de material utilizado para armazenar esse tipo de alimento poderá gerar a perda do produto, afastar consumidores, causar danos à imagem da empresa, entre diversos outros prejuízos que podem ser evitados com a escolha correta da embalagem.

Se você deseja que sua organização não arque com esses impactos, responderemos todas as suas dúvidas sobre o assunto neste artigo. Aqui, expomos a importância de utilizar materiais específicos ao embalar alimentos crus, quais são os ideais para cada tipo de alimento e o que a legislação diz sobre o assunto. Confira!

Qual é a importância de um material específico na embalagem para alimentos crus?

Há vários fatores aos quais o gestor deve ficar atento quando se trata do manejo de alimentos, como prazo de validade, qualidade, se estão prontos para consumo, visual da embalagem, etc. A embalagem exerce um importante papel na manutenção da qualidade das mercadorias, como também na escolha do cliente pelo produto.

Quanto aos alimentos crus, esse item apresenta maior relevância ainda, pois atua diretamente na saúde do consumidor. Isso exige que o responsável utilize materiais específicos na embalagem, logo, entenda a importância de fazê-lo abaixo.

Melhor conservação do alimento

Melhorar a conservação do alimento consiste em aumentar o seu prazo de durabilidade, e isso é essencial para que ele possa ser consumido no momento em que chegar às mãos dos clientes.

Entretanto, a conservação deve ser pensada de acordo com as características de seus produtos, pois um modelo ou material de embalagem pode danificar determinado item, porém, pode ser o mais adequado para outro. Por essa razão, é preciso estudar o material ideal para os alimentos in natura.

Geração de mais valor ao produto

A embalagem de um produto é a imagem que você deseja transmitir ao cliente, mas não são somente as estampas que podem atrair a atenção dos consumidores. As embalagens podem fazer parte de sua estratégia de marketing e alterar positivamente a imagem da mercadoria para os clientes.

Se utilizadas de forma inteligente, as diferentes embalagens também podem agregar valor ao produto e aumentar as suas vendas.

Preservação da saúde do consumidor

Algumas embalagens podem sofrer reações químicas e contaminar determinados alimentos. Isso causará danos à saúde do consumidor e gerará impactos excessivamente negativos à imagem da empresa. Para evitar esse prejuízo, o administrador deve conhecer os materiais e utilizar o que mais preserva a saúde do consumidor.

Porém, não são todos os materiais que são suscetíveis à ocorrência de tal fenômeno, dessa forma, é possível utilizar embalagens de certos materiais e formas em determinados alimentos crus.

Qual a forma e material ideais para diferentes tipos de alimentos crus?

Não há somente um único meio de armazenar os alimentos crus. Como o setor alimentício inclui mercadorias de diferentes peculiaridades, alguns materiais são mais adequados para cada mantimento.

Cada forma de armazenamento detém suas próprias vantagens, que consistem em determinadas características, como preço, flexibilidade, resistência, entre outras. Entenda, nos tópicos seguintes, os tipos de embalagem ideais para cada alimento cru.

Madeira

Esse material foi um dos primeiros a serem usados como embalagem e é amplamente utilizado no transporte de hortaliças, frutas, legumes, ervas e outros vegetais. Uma de suas características principais é a resistência e relativa leveza para manusear.

Entretanto, embalagens de madeira são pouco usadas em pequenos empreendimentos, pois têm alto custo de confecção, pouca capacidade de proteção de produto e têm baixo conforto no seu manuseio pelos consumidores.

Papelão

O papelão é vantajoso por ser mais leve, econômico, adaptável a diversos formatos, fácil de ser armazenado  pode ser empilhado — e reciclável. Além disso, ele também pode ter uma ampla gama de aplicações, por exemplo embalar produtos pequenos e delicados, como componentes eletrônicos, até objetos grandes, como gôndolas e peças industriais.

Ainda que seja mais sensível à umidade, é um material bastante popular e ideal para transportar uma grande quantidade de alimentos que não demandam grande esforço para preservação, como batatas, massas frescas (como macarrão), ovos, biscoitos, farinhas, grãos crus e outros alimentos.

Vidro

Essa é uma embalagem elegante, consistindo em uma boa opção para transportar produtos que precisam ter seu conteúdo exposto aos clientes, como mercadorias líquidas, úmidas ou pastosas, como azeites extra-virgens, cervejas, café solúvel, conservas, requeijão, geleias etc.

Porém, trata-se de um material excepcionalmente frágil, por isso, não é amplamente utilizado em outros tipos de alimentos.

Plástico

Em razão da fragilidade dos vidros, várias empresas os substituíram por plásticos. Esse é um material que pode ser moldado em diversos formatos e tamanhos, sendo possível ser criado na forma de sacos, caixas, frascos, películas, engradados etc.

Dessa forma, é útil para armazenar diferentes tipos de alimentos, incluindo bebidas, como refrigerantes e sucos, sorvetes; achocolatados; doces, como biscoitos, balas, bombons; embalados, como salgadinhos, macarrão, arroz etc.

Apesar da flexibilidade, são sensíveis à oxidação e a elevadas temperaturas, e apresentam permeabilidade a gases e aromas, tornando possível a migração dos constituintes do material para os alimentos, alterando a sua composição. Outro aspecto negativo consiste na poluição do meio ambiente, levando centenas de anos para a decomposição.

Aço e alumínio

Metais, em geral, são opções ideais para as mercadorias que reagem mal a plásticos. Eles são leves, duráveis, práticos e recicláveis. Os alimentos ideais para os metais são aqueles que precisam ser protegidos de luz, umidade e odor.

Apesar de o aço e o alumínio serem parecidos a olho nu, eles são dotados de qualidades distintas, que os tornam ideais para diferentes produtos. Entenda as diferenças entre essas embalagens:

  • alumínio: é mais adequado para armazenar bebidas carbonatas, como cervejas e refrigerantes, mas também é indicado para enlatados em geral;
  • aço: como ele proporciona mais proteção e isolamento, é mais utilizado para embalar produtos que demorarão mais tempo para serem consumidos, como conservas.

Há dois pontos negativos nesse tipo de embalagem. O primeiro consiste na possibilidade de sofrer corrosão e contaminar os alimentos com seus elementos constituintes. O segundo ponto consiste no elevado nível de poluição na fabricação do alumínio, pois ele é derivado da bauxita, mineral que traz grandes níveis de poluição para o meio ambiente no ato de sua extração.

Isopor

Sua característica marcante se dá no fato de ajudar a preservar a temperatura dos alimentos, dessa forma, é amplamente utilizado para transportar alimentos frescos e nos serviços de entregas de fast foods e restaurantes.

Entretanto, não é uma solução ecológica (tem a reciclagem cara) e a identidade visual da marca fica prejudicada ao ser estampada nas caixas desse material. Além disso, estudos recentes apontam possível relação entre o polietileno (isopor) com a ocorrência de câncer devido ao estireno.

O que a RDC 20/2007 informa sobre esses materiais?

A Resolução RDC n.º 20 de 2007 é o regulamento técnico da ANVISA que dispõe sobre embalagens, revestimentos, tampas, utensílios e equipamentos metálicos que entram em contato com os alimentos.

As principais discussões dessa norma consistem nas embalagens metálicas, nos revestimentos poliméricos, nos corantes e nos pigmentos, nos selantes e nos lubrificantes de superfície. Todas as disposições foram redigidas para garantir a manutenção da saúde dos consumidores.

Materiais que não se encaixam nos citados, como o papelão, têm menos riscos de causarem danos e infringir a norma emanada pela agência sanitária. Muitos administradores negligenciam a embalagem para alimentos in natura, porém, aqueles que utilizam o tipo mais adequado para cada mercadoria conseguirão agradar seus clientes e garantir seu lugar no mercado.

Deixe um comentário no post utilizando o espaço abaixo! Compartilhe sua opinião e feedback!

7 erros fatais de gestão de estoque que devemos evitar

Uma boa gestão de estoque é um dos pilares para o sucesso de um negócio. Descuidos na armazenagem dos produtos podem reduzir as vendas, aumentar custos e, assim, prejudicar a rentabilidade. Apesar disso, são frequentes os equívocos cometidos nessa área tão importante.

Pensando nisso, listamos neste post os principais erros que devem ser evitados na gestão de estoque para não comprometer o funcionamento adequado de uma empresa. Ficou curioso? Acompanhe o texto e boa leitura!

1. Comprar produtos em excesso

compra dos produtos para a composição do estoque deve ser feita de forma coerente e planejada, e não com base em especulações ou por impulso. A compra excessiva de mercadorias pode representar custos extras, já que elas se depreciam com o passar do tempo, além da chance de danos, que tornam sua comercialização impossível.

No caso de alimentos, esse problema é ainda mais grave, já que esse gênero de produtos normalmente possui um prazo de validade extremamente curto e demanda custos de armazenamentos maiores.

Para evitar que tais problemas atinjam seu estoque, mantenha um controle rígido do que está sendo armazenado e uma avaliação cuidadosa antes da compra dos produtos, em especial os sazonais, como aqueles relacionados com datas comemorativas.

2. Deixar faltar produtos

Por outro lado, também é problemático deixar algum produto faltar no estoque, fazendo com ele não esteja disponível no momento da aquisição do consumidor. Tal falha, que representa perda de vendas para a concorrência, recebe o nome de ruptura de estoque.

Existem algumas formas de prevenir essa ruptura. Primeiro, é preciso ter uma ideia de quantos e quais produtos, em média, costumam sofrer com isso. Para isso, compare o total de itens normalmente disponíveis no estoque com o número de produtos que estão faltando. A partir disso, é possível definir índices e metas para diminuir as ocorrências do tipo.

Depois, planeje melhor as compras, considerando um estoque de cobertura, a sazonalidade das vendas e a demora na entrega de determinadas encomendas. Por fim, mantenha uma estratégia caso um produto venha efetivamente a faltar.

3. Ignorar inventários periódicos

Ignorar a elaboração periódica de inventários é outro erro comum cometido por quem precisa gerenciar um estoque. Isso acontece principalmente pela ideia de que fazer um inventário é um desperdício de tempo ou algo demasiadamente complicado.

Um bom inventário deve fazer a confrontação entre a quantidade de produtos disponíveis com aquela anotada nas formas de controle utilizadas. Dessa forma, as informações estarão sempre atualizadas, retratando com mais fidelidade a situação do estoque.

Inventários permitem também um melhor controle de perdas, identificando produtos com problemas, seja por roubo, dano ou expiração do prazo de validade. Isso evita que as prateleiras sejam abastecidas com mercadorias em condições inadequadas.

4. Manter uma base de cadastro sem padrão

De nada adiante manter controles atualizados ou elaborar inventários com a periodicidade correta se o cadastro dos produtos é feito sem nenhum padrão. Um dos equívocos mais comuns é o cadastramento de itens iguais com códigos ou descrições diferentes ou incompletas.

Essas incongruências nas informações facilitam a ruptura de estoque e prejudicam o comerciante, que fica na dúvida se determinado produto está realmente em falta ou apenas foi cadastrado de outra forma.

Por isso, não negligencie a descrição de cada produto. Certifique-se que tais descrições contenham o maior número possível de detalhes. Quanto mais informações, mais fácil será o trabalho e menor o número de erros.

5. Desconsiderar o tempo médio de estocagem 

Adotar critérios errados de monitoramento é outro erro frequente. Muitos gestores se equivocam ao controlar o conteúdo dos estoques a partir do valor financeiro ou pelo número de itens armazenados, o que não é uma boa ideia. Saber que existem R$ 10 mil em mercadorias ou 1500 itens guardados são informações que, por si só, não significam muita coisa.

O critério mais adequado para o monitoramento de um estoque é o tempo médio de estocagem. Como o próprio nome diz, esse parâmetro fornece a informação de quanto tempo um produto fica, em média, na empresa até ser comercializado. Com esses números em mãos, torna-se mais simples a identificação dos produtos que possuem giro mais rápido e precisam ser repostos com frequência, em detrimento daqueles que permanecem mais tempo armazenados.

6. Desprezar softwares de gestão de estoque

Boa parte dos erros listados até aqui podem ser minimizados com a adoção de softwares de gestão eficientes. Eles substituem o trabalho feito manualmente, que é inviável diante da grande quantidade de informações gerada pela administração de um estoque.

Bons softwares possibilitam que todas as informações pertinentes sejam centralizadas e acessadas em tempo real, de qualquer local, agilizando a execução de tarefas e reduzindo custos. A tomada de decisões ganha eficiência, já que fica mais fácil controlar pedidos de reposição, o inventário, além das entradas e saídas de mercadorias.

7. Descuidar do espaço físico

Tão importante quanto o controle do estoque é a manutenção de boas condições de armazenamento dos produtos, preservando a qualidade do que está sendo estocado e também zelando pelo bem-estar dos funcionários que trabalham nesse setor.  Por isso, atente-se à limpeza do espaço e aos cuidados necessários para prevenir acidentes.

Para evitar os acidentes de trabalho, indique e demarque claramente os locais que oferecem riscos e reforce a necessidade da utilização dos equipamentos de proteção individual por todos os colaboradores.

Iluminação e ventilação são outros aspectos importantes para manter o bom estado do estoque. Ambientes mal iluminados favorecem os acidentes e facilitam erros nas atividades. Já a ausência de ventilação prejudica a saúde dos funcionários e favorece a ocorrência de incêndios. 

Por fim, não descuide da segurança: sistemas de vigilância inibem roubos e furtos, que podem representar impactos financeiros significativos.

Compreender quais são os principais erros de gestão de estoque é a melhor forma de evitá-los, o que deve ser uma preocupação constante de quem tem essa responsabilidade. Se cometidos com frequência, tais deslizes podem comprometer a saúde financeira de qualquer negócio. Logo, nenhum cuidado é demais!

Quer ter uma ideia de como será o futuro no setor logístico? Então confira quais são as 10 principais tendências em logística!

 

 

Você sabe como escolher a caixa de frutas ideal?

Transportar frutas, assim como outras mercadorias alimentícias, exige um cuidado especial para garantir que o seu produto chegue no cliente final em ótimas condições de consumo, sem impactos para a vida útil e sem riscos para a saúde. Para cumprir esses objetivos, é preciso escolher a caixa para frutas ideal.

São diversos fatores que devem ser considerados na hora de escolher a embalagem, pensando não apenas no processo de logística como um todo – armazenamento, movimentação e transporte –, mas também na apresentação do produto e da marca.

Entre esses fatores, destaca-se a escolha da caixa para armazenar as frutas. Neste artigo, abordamos as regras legislativas a respeito do assunto, o material e os formatos de caixa apropriados. Boa leitura!

As regras: o que a legislação brasileira diz

Antes de realmente escolher a caixa ideal, é preciso, acima de tudo, saber o que diz a legislação brasileira para atuar de maneira correta. A lei da embalagem defende que o recipiente deve atuar como uma ferramenta de proteção, movimentação, identificação, exposição do produto e atração de clientes.

Para que isso seja possível, o Ministério da Agricultura instituiu as seguintes características físicas para as embalagens:

  • devem ser descartáveis ou retornáveis;
  • as medidas externas devem ser sub múltiplas de um metro por um metro e vinte centímetros e as caixas devem permitir o empilhamento;
  • não podem ser fonte de contaminação ou de impactos mecânicos às frutas;
  • o peso bruto da embalagem não pode ser superior a 25kg.

Portanto, tenha essas informações sempre em mente na hora de definir o seu produto e a embalagem correspondente.

O material: caixas em papelão ondulado

O papelão ondulado é um material extremamente comum, e grande parte dos produtos consumidos são normalmente embalados e entregues nesse tipo de recipiente. O fato é que, raramente, estamos atentos à informação de que a ondulação contida nessas caixas atua como proteção para o produto transportado e oferece acolchoamento em cada uma das superfícies.

Em uma caixa para frutas, essa proteção é obrigatória, pois ela garante o conforto do fruto, evitando danos causados por choques mecânicos e minimizando perdas no momento do transporte ou do manuseio. Além disso, o papelão ondulado também facilita a ventilação dos alimentos e evita a proliferação de pragas, por ser uma embalagem descartável, além de ser ecológica, por ser reciclável.

No Brasil, há diversos tamanhos de ondulações, que variam desde 1,2 mm a 5,0 mm. A escolha do tamanho depende do uso final que esse recipiente terá e da resistência exigida. Por exemplo, morangos, tomates e mamões são mais frágeis, e por isso requerem mais proteção, enquanto abacaxis e melões sofrem menos com danos mecânicos.

Caixa para frutas: os diversos formatos à disposição

Caixas corte e vinco

Esse tipo de caixa oferece um aspecto estético diferenciado, pois é personalizado de acordo com o projeto. Por isso, essa embalagem é considerada adaptável para qualquer necessidade, pois tem tamanhos, cortes, encaixes e layout customizáveis. 

Um dos maiores benefícios dessa embalagem é o seu uso como ótimo cartão de visitas do seu produto ao consumidor. Você pode personalizá-la de acordo com a sua marca, com logos, desenhos e cores determinadas.

É comum encontrar, por exemplo, frutas que possuem cores fortes, como morangos e caquis, expostas em pequenas caixas do tipo corte e vinco, customizadas não só no formato, mas também nas cores, com o objetivo de atrair ainda mais a atenção do cliente. Assim, basta pegar uma caixinha e levar as deliciosas frutas para casa.

Caixas corte e vinco podem também dispensar o uso de produtos para fechamento, já que em muitos casos as frutas são posicionadas e a caixa faz a função de bandeja aberta e display para os produtos.

Portanto, vale a pena fazer o cálculo para investir nesse formato pois, embora o custo de produção algumas vezes seja mais alto (sobretudo quando envolve a confecção de um molde de corte específico), a economia vinda através da conservação correta das frutas e alimentos perecíveis mais o design exclusivo e chamativo acabam compensando.

Caixas para frutas de maleta comum

O modelo maleta é uma das embalagens mais versáteis e comuns do mercado, pelo fato de servir como recipiente para a maioria das coisas, desde alimentos até eletrônicos. Por isso, é possível encontrá-la nas mais diversas dimensões, carregando desde pequenas frutas até alimentos pesados.

Essa caixa conta com um fundo mais resistente, pensado exatamente para o transporte e empilhamento, sem riscos da maleta romper e danificar o produto. Outra vantagem desse formato é que a sua montagem é extremamente simples, o que pode impactar diretamente na melhoria do tempo gasto dentro da cadeia de produção.

Caixas tipo maleta diferenciada

Dentro da classificação das caixas em formato maleta, é possível encontrar alguns modelos diferenciados, desenvolvidos para atender necessidades diferentes, mas sempre mantendo as características de praticidade e resistência da maleta. Todos os modelos permitem furações para ventilação ou display de produtos. Entre alguns dos modelos, estão:

Caixa sem aba superior

Esse modelo permite a total exibição e o manuseio de frutas, pois não tem uma superfície que as cubra. No entanto, fique atento à exposição que o produto sofrerá ao meio ambiente e avalie se essa embalagem é adequada para o tipo de transporte e empilhamento do seu negócio.

Caixa com aba total

Todas as abas que fecharão a caixa contam com a mesma largura da abertura da caixa, e cada aba consegue cobrí-la totalmente. Dessa forma, ao fechar-se completamente, a superfície superior se dará em múltiplas camadas de papelão ondulado, tornando a caixa ainda mais resistente.

Caixa telescópica

Essa é uma caixa com a tampa desconectada, ou seja, sempre que necessário, é possível deixar a abertura da caixa totalmente aberta, sem a interferência das abas na visualização e manuseio das frutas.

Caixa com aba normal

A mais tradicional das caixas tipo maleta, trantando-se basicamente de uma caixa cujos limites das abas de fechamento se encontram bem no meio da abertura da caixa (onde em geral é passada uma fita adesiva para as fechar).

Caixa com aba parcial

Caixa cujas abas, ao fecharem-se sobre a caixa, deixam uma fenda bem no meio, entre elas. Esse modelo é muito utilizado para exposição, pois a abertura funciona como display de produtos, além de favorecer a ventilação, sendo especialmente útil para alimentos. Por se tratar de uma abertura pacial, ainda oferece considerável proteção ao que estiver sendo transportado em seu interior.

Caixa com aba transpassada

Com abas um pouco maores que as do modelo com aba normal, a característica que define esse modelo é a largura de suas abas, fazendo com que elas ultrapassem um pouco os limites umas das outras ao serem fechadas, o que confere um reforço na área do fechamento. A idéia é semelhante a da caixa modelo com aba total, com a diferença que aqui uma aba não cobre toda a abertura da caixa. Para ter uma visualiação mais clara desses modelos, visite nosso site.

Agora que você já conhece as vantagens do papelão ondulado e dos vários formatos de caixa para frutas, basta avaliar a aplicação de cada opção de acordo com o seu negócio e identificar qual deles pode trazer os resultados esperados. Com tantas opções, consultar quem conhece o assunto pode também ser uma boa ideia na hora de escolher a caixa para frutas mais alinhada às exigências da sua empresa.

Gostou de saber mais sobre como escolher a caixa para frutas ideal para o seu negócio? Se você acha que essas dicas são úteis para outros profissionais do seu ramo, compartilhe este conteúdo nas redes sociais!

Como encontrar o melhor fornecedor de caixa de papelão?

A escolha de um fornecedor de caixa de papelão é uma decisão estratégica que deve ser tomada com muita cautela. Foi-se o tempo em que os fornecedores eram vistos apenas como meros vendedores de insumos. Afinal, o gestor moderno procura, antes de qualquer coisa, um parceiro comercial.

Apesar de toda a importância do tema, muitas empresas ainda encontram dificuldades ao longo do processo. Isso acontece, em grande parte, devido ao desconhecimento de alguns critérios básicos que devem ser levados em consideração no momento da escolha.

Com isso em mente, elaboramos um artigo explicando tudo o que você precisa saber antes de fechar o negócio. Confira na sequência!

Qualidade

Além de proteger a mercadoria de danos ocasionados por impactos ou pela própria exposição aos elementos, a embalagem é o primeiro contato que o cliente tem com o produto. Assim, é com ela que, muitas vezes, inauguramos o relacionamento com clientes e com o público em geral.

Portanto, uma boa caixa de papelão de papelão deve ser resistente e bonita. Um indicativo de que a embalagem possui os padrões de qualidade desejáveis é o atendimento a normas de padronização nacionais e internacionais — as normas da ABNT e do ISO 9001.

Dentro desse contexto de resistência e estética da embalagem, o cliente deve ficar de olho também na qualidade da impressão e na composição da chapa de papelão utilizada para confeccionar as caixas. O ideal é que o fornecedor trabalhe com o papelão ondulado, devido a sua resistência e maleabilidade.

Com isso, aumentam as chances de o produto chegar até o consumidor final sem nenhum tipo de avaria e com a caixa de papelão apresentando um bom aspecto, que inspire no cliente o desejo de consumir.

É claro que tudo isso também depende de muitos outros cuidados no armazenamento e transporte, mas trabalhar com materiais de qualidade é um pré-requisito. Além disso, as caixas de papelão com boa qualidade facilitam bastante o trabalho de todos os envolvidos na cadeia de suprimentos, reduzindo perdas e aumentando a produtividade.

Atendimento

Além da qualidade da caixa de papelão, não podemos nos esquecer de que o atendimento e a comunicação também são fatores muito importantes para o sucesso da parceria. Um bom fornecedor está preocupado em ouvir e entender a demanda do cliente.

O perigo do mau atendimento é que ele pode minar a relação comercial com o passar do tempo — e não instantaneamente, como acontece quando a qualidade da embalagem não é boa, por exemplo.

Vale lembrar, ainda, que o bom atendimento não é um diferencial, mas uma obrigação de todo e qualquer fornecedor — embora, lamentavelmente, nem sempre isso ocorra na prática cotidiana.

É preciso entender que bom atendimento e simpatia são conceitos que têm alguma relação, mas não são sinônimos! A educação e a cortesia são elementos indispensáveis, mas o bom atendimento deve abarcar também muitas outras qualidades e uma estrutura adequada.

A título de exemplo, podemos pensar naqueles fornecedores que investem muito no treinamento dos colaboradores, promovendo palestras e workshops, mas não investem em tecnologia.

Nesse caso, por mais atenciosos que sejam os atendentes, a comunicação pode se tornar um verdadeiro castelo de cartas se não houver um bom software de gestão de clientes dando amparo às operações.

Afinal, todo cliente sabe o quanto é desgastante (e caro) ter que repetir as mesmas informações para diferentes representantes do fornecedor e, mesmo assim, correr o risco de não receber o produto da forma exata como havia solicitado.

Compromisso com o cliente

É preciso destacar a importância de procurar parceiros comerciais que tenham como prioridade o sucesso de seus clientes. 

Na MM Embalagens, por exemplo, o foco de todas as atividades empresariais está voltado para a satisfação dos clientes. Entendemos que o nosso sucesso depende do sucesso do cliente, e não de meros números em uma planilha de vendas.

O fornecedor preocupado apenas em fechar a venda geralmente tenta encaixar as necessidades do cliente dentro de moldes genéricos previamente elaborados. Quando o foco é no parceiro, o esforço é no sentido de adaptar a estrutura e os processos internos para fazer o melhor possível para quem busca solução.

Referências

Além de todos os critérios anteriores, a empresa pode, também, procurar referências sobre o novo fornecedor. Quantos e quem são os clientes que ele atende? São empresas sérias e conhecidas pelo seu compromisso com a qualidade? O que eles têm a dizer sobre o fornecedor de caixa de papelão?

Isoladamente, o mero fato de um fornecedor ter muitos clientes não significa, necessariamente, que ele presta um bom serviço ou oferece um bom produto. No entanto, levar em conta esse tipo de referência é sempre melhor do que dar um tiro no escuro — ainda mais se a empresa não está disposta a correr riscos com as embalagens.

História e trajetória

Outra forma de reconhecer um bom fornecedor é olhar para o passado da empresa, tentando traçar a trajetória que a levou para o ponto em que se encontra no presente.

Isso pode evitar que sua organização venha a se envolver em uma parceria com um fornecedor cuja conduta comercial é pouco conhecida ou que apresentam um estado periclitante e pouco confiável. O ideal é sempre se envolver com empresas que geralmente entregam aquilo a que se propõe.

A MM Embalagens está há mais de dez anos no mercado e é uma das empresas que mais cresce no setor, movimentando cerca de 400 toneladas de papelão todos os meses, entre acessórios e caixas de papelão ondulado de diversos formatos, tamanhos, com ou sem impressão, personalizações a pedido de clientes, tendo a supervisão de um moderno laboratório interno de qualidade para garantir a aplicação de normas ABNT e ISO 9001. Consolidamos tradição, excelência e valores competitivos no atendimento a indústrias pesada, farmacêutica, alimentícia, moveleira, agronegócios, distribuidoras, entre outras, totalizando mais de 5000 empresas já atendidas.

Fornecedor de caixa de papelão – uma escolha planejada

Não existem fórmulas mágicas para encontrar o melhor fornecedor de caixa de papelão. Uma decisão acertada depende, em larga escala, do bom senso e da sensibilidade do gestor responsável pela compra das embalagens. Entretanto, quando utilizamos os critérios acima, a chance de cometer erros é indiscutivelmente menor!

E então, achou o texto útil? Agora que você já conhece as principais características de um bom fornecedor, ganhe tempo e entre em contato conosco. Nossos atendentes estão prontos para ajudá-lo a encontrar a embalagem ideal para o seu negócio!

 

Como conservar e armazenar produtos de limpeza?

Manter o estoque sempre organizado é uma estratégia determinante para o sucesso de qualquer organização, mas também é uma prática que interfere diretamente na conservação e qualidade das mercadorias. Por isso, saber armazenar produtos de limpeza é tão importante quanto vendê-los ao consumidor final.

Por serem tóxicos e até mesmo inflamáveis, os produtos de limpeza e similares precisam ser conservados e armazenados em áreas específicas de um supermercado.

Quer saber como? Então confira as nossas dicas e veja como armazenar produtos de limpeza corretamente, além de descobrir a importância da embalagem nesse processo. Confira!

Qual a importância de saber como armazenar produtos de limpeza?

O armazenamento correto de materiais de limpeza é fundamental para manter a organização do ambiente e evitar possíveis acidentes, pois tais produtos apresentam substâncias tóxicas nocivas à saúde humana se entrarem em contato com a pele ou olhos.

Além disso, outros motivos são muito importantes para a realização de uma armazenagem adequada. A seguir, listamos os principais.

Otimiza espaço

Quando se tem um espaço muito pequeno, qualquer centímetro ganho é útil. Assim, uma organização eficiente permite um melhor aproveitamento do espaço. Então, utilize recursos que facilitarão e melhorarão essa organização como:

  • prateleiras;

  • armários;

  • ganchos;

  • cestos;

  • suportes, dentre outros.

Esses itens facilitam na organização do seu material de limpeza e ajudam a manter a segurança dos seus produtos, isso porque é muito importante manter alguns materiais separados dos demais.

Reduz riscos

A separação de determinados materiais é importante justamente por reduzir o risco de acidentes. Alguns materiais reagem entre si, gerando gases tóxicos prejudiciais à saúde — um exemplo muito claro disso é o vinagre e a água sanitária, que jamais devem ser misturados, podendo gerar ardência e problemas respiratórios severos.

Esses produtos também devem ser protegidos do sol e do calor, devido a alguns desses materiais serem inflamáveis, impedindo o risco de explosões.

Um outro cuidado que deve ser evitado é a mistura de produtos de limpeza com alimentos, a fim de evitar os riscos de contaminação.

Traz mais segurança

Um armazenamento eficiente traz mais segurança para você e todos que permanecem nesse ambiente. Uma vez que esses produtos devem permanecer fora do alcance de crianças.

Frequentemente são vistos em noticiários matérias sobre pessoas que se feriram por uso ou consumo inadequado dos produtos químicos. Crianças que ingeriram líquidos perigosos e pessoas que causaram explosões misturando tais materiais.

Assim, é necessário programar o armazenamento dos produtos de limpeza de forma adequada. Portanto, essa tarefa deve ser tratada com grande seriedade e responsabilidade.

Evita desperdícios

Com o estoque bem organizado fica mais fácil verificar os materiais que realmente estão em falta, o que evita a compra desnecessária de produtos para o estoque. Permite, também, não perder o produto por conta da sua validade, já que com o grande volume de produtos, a sua empresa corre o risco de não vendê-los antes que se encerre o prazo de validade.

Além do mais, é necessário verificar se todos os produtos permanecem bem fechados, para evitar a perda para o ambiente — em se tratando de materiais que se evaporam facilmente.

Faz com que durem mais tempo

Ao passo que uma boa armazenagem evita desperdícios, ela também faz com que o produto dure mais já que você estará de olho:

  • em sua validade;

  • na vedação do produto;

  • se estão afastados de umidade ou do calor, pois esses fatores consomem esses materiais.

Facilita na hora de localizá-lo

A organização dos seus materiais de limpeza impossibilita a perda de tempo para localizar o produto. Uma armazenagem eficiente permite a identificação rápida e ágil do produto que você está precisando naquele momento. Isso fará com que a produtividade de toda a equipe seja otimizada, melhorando, inclusive, a imagem do seu negócio perante seus consumidores.

Quais os produtos que mais causam riscos à saúde?

A maioria dos materiais de limpeza levam em suas fórmulas produtos químicos muito fortes, capazes de causar irritações, alergias na pele e problemas respiratórios.

Quando em contato com a pele, olhos ou nariz provocam sintomas como:

  • ardor;

  • coceira;

  • vermelhidão;

  • descamação da pele;

  • tosse.

E em casos mais graves:

  • inchaço;

  • surgimento de bolhas;

  • falta de ar.

Alguns dos produtos de limpeza que costumamos ter em casa são mais perigosos. Veja alguns exemplos.

Amaciante de roupas

Muitos amaciantes de roupas contêm em suas fórmulas o amoníaco — uma substância que, quando recebe calor, libera o gás amônia, causador de irritações na pele, nos olhos e das vias respiratórias.

Muitas pessoas desencadeiam reações alérgicas ao produto por ficarem muito próximas ao nariz. Esse produto costuma não ser indicado para lavar as roupas do bebê, por exemplo, pois ainda não tem o sistema imunológico completamente formado.

Água Sanitária

O hipoclorito de sódio, presente na composição da água sanitária, é uma substância muito perigosa. Ele libera o gás cloro, mesmo que em baixa concentração. Esse gás provoca dores de cabeça, lacrimejamento e irritação das vias aéreas. Se a pessoa tiver problemas de asma, o contato com a água sanitária pode piorar ainda mais o seu quadro.

Desentupidores de ralo

Em muitos desentupidores de ralos está presente em sua composição a soda cáustica e nitrato de potássio e, com isso, formam uma mistura corrosiva, por isso, é necessário ter cautela na sua utilização.

Da mesma maneira que o querosene e outras substâncias à base de solventes, os desentupidores são inflamáveis e podem provocar irritações nos olhos e na pele. Em doses mais altas, podem levar até a morte.

Lava Roupas

Em diversos sabões para lavar roupas, o bórax, também conhecido como borato de sódio, é parte constituinte de sua fórmula, também muito utilizado nos sabões de limpeza em geral. Esse produto provoca efeitos negativos em relação à libido e reprodução, conforme estudos científicos revelaram. O motivo é a sua interferência no sistema hormonal. Além disso, causa irritação na pele e nas mucosas.

Uma boa opção como produto de limpeza é utilizar ingredientes naturais, como o bicarbonato de sódio, suco de limão, vinagre e sal. Esses materiais podem ser utilizados no lugar do bórax e proporcionarão o mesmo resultado.

Como armazená-los adequadamente?

Armazene com segurança os materiais de limpeza

Como visto, uma armazenagem inadequada de produtos de limpeza pode causar sérios problemas aos seres vivos em geral, por isso, é necessário armazená-los em locais apropriados.

Sendo assim, faça a sua devida organização, utilizando os itens citados para a otimização do seu espaço e:

  • mantenha os produtos em locais arejados para evitar a formação aerossóis contaminantes;

  • evite a reutilização de embalagens de modo a evitar contaminações;

  • não misture produtos, use um de cada vez, a fim de prevenir reações químicas incompatíveis entre eles.

Separe os produtos de limpeza em categorias

Para facilitar o reconhecimento e, até mesmo, a retirada de produtos no estoque de um supermercado, por exemplo, é essencial separar cada item de acordo com suas principais características e composições.

Dessa forma, categorize cada mercadoria em setores, incluindo produtos para limpeza de roupas, chão, cozinha, entre outros itens. Ao seguir essa estratégia, o supermercado ainda terá a chance de identificar com mais facilidade quais são os produtos que estão em falta no estoque, além daqueles que têm giro alto, sem depender de softwares para isso.

Por outro lado, manter os produtos do mesmo grupo em um mesmo lugar é uma prática que também pode evitar alguns acidentes dentro de um estoque. Entre eles está a possibilidade de algum item ser avariado e, assim, misturado com outros produtos que apresentam composições químicas divergentes.

Nesse caso, o resultado poderá ser catastrófico, já que a mistura de alguns elementos pode provocar intoxicações, alergias, pequenas explosões, entre outras reações perigosas para a saúde dos funcionários e clientes do supermercado.

A mesma dica vale para a exposição de produtos nas prateleiras, sendo indispensável organizá-los para que o consumidor não fique confuso no ato de compra.

Fique atento à temperatura do ambiente

O local onde os materiais de limpeza são armazenados no estoque de um supermercado também influencia diretamente na sua conservação e durabilidade.

Lembre-se de que os ambientes úmidos podem deteriorar as embalagens e comprometer seu estado natural, da mesma forma que os locais quentes são capazes de provocar reações químicas nos produtos.

Para os produtos inflamáveis, como o aerosol, entre outros itens que contêm álcool, o cuidado precisa ser ainda maior, considerando que esse tipo de material não pode ser armazenado em lugares com temperaturas muito elevadas, a fim de evitar qualquer tipo de explosão.

No geral, a dica é manter o estoque em temperatura ambiente, com o objetivo de conservar os produtos de limpeza. Se necessário, reserve um espaço separado para armazená-los com maior segurança.

Mantenha os produtos de limpeza longe de alimentos

Os materiais de limpeza precisam estar sempre armazenados longe dos produtos alimentícios, ou seja, em prateleiras de estoque distintas. Essa separação também é obrigatória nas prateleiras de venda, já que podemos perceber que ambos os produtos estão sempre em corredores diferentes.

Entretanto, vale lembrar que, embora estejam vedados, alguns materiais de limpeza podem sofrer pequenas avarias ou, até mesmo, vazamentos e, por isso, precisam ser guardados bem longe de qualquer tipo de alimento para evitar possíveis contaminações e riscos à própria saúde dos clientes que comprarão os alimentos.

Armazene os materiais em prateleiras superiores

Parece óbvio, mas os produtos de limpeza e similares precisam ser armazenados sempre nas prateleiras superiores dos supermercados, incluindo detergentes, desinfetantes, cloro, álcool, entre outros itens que são tóxicos e podem despertar a atenção das crianças quando estão expostos em lugares de fácil acesso.

Portanto, posicionar esses itens em gôndolas superiores é uma questão importante para evitar acidentes, como uma criança abrir um produto e ingeri-lo, por exemplo.

Além disso, é interessante ressaltar que essa estratégia de organização também pode favorecer as vendas, já que os clientes terão uma melhor visualização dos produtos (que ficarão próximos à altura dos olhos), o que influenciará de maneira positiva em sua decisão de compra.

Antes de armazenar produtos de limpeza, leia o rótulo

Alguns produtos têm especificações importantes que acompanham sua embalagem. Por esse motivo, ler os rótulos com frequência é um hábito que pode ajudar no armazenamento e conservação dos materiais de limpeza, levando em consideração que alguns produtos apresentam descrições mais exigentes.

No entanto, além de fornecer as informações necessárias para a armazenagem correta, os rótulos também têm um papel importante no controle de validade, o que permite acompanhar manualmente os itens que estão próximos do vencimento e precisam ser descartados com urgência.

Vale lembrar que um simples produto vencido ou mal conservado pode causar sérios riscos à saúde, o que também compromete a organização do estoque e, consequentemente, a credibilidade do estabelecimento no mercado. No entanto, felizmente, podemos contar com a ajuda de algumas diretrizes úteis que podem tornar o armazenamento o processo mais simples e prático.

Lembre-se de que os produtos de limpeza que estão vencidos podem ter sua eficiência comprometida e, ainda, causar riscos à saúde, como vômitos e dores de cabeça para quem os adquire.

Informe-se sobre a importância da embalagem

O correto armazenamento dos materiais de limpeza também depende das suas embalagens. Responsáveis por oferecer a proteção necessária, elas precisam ser resistentes, a fim de impedir qualquer tipo de corrosão química.

No geral, as embalagens de plástico ou polietileno são as mais utilizadas em itens de limpeza, pois são menos vulneráveis à ação de reagentes químicos, normalmente encontrados em produtos, como a água sanitária e o detergente.

Além disso, as embalagens precisam oferecer a segurança necessária para o transporte, tanto para o armazenamento em estoque ou prateleiras quanto para o manuseio do próprio cliente.

Portanto, adquirir mercadorias com embalagens suspeitas não é um bom investimento para o supermercado, além de oferecer grandes prejuízos que podem resultar em perda de produto, avarias, reclamações do cliente etc.

Como mostramos, armazenar produtos de limpeza é uma estratégia importante para garantir a satisfação e segurança dos clientes, além de manter o estoque organizado e seguro para os funcionários. Todavia, é essencial adquirir mercadorias com embalagens resistentes e de qualidade.

Então, gostou do nosso post sobre como armazenar produtos? Agora que você sabe como conservar e armazenar produtos de limpeza, aproveite para conferir também como embalar e armazenar produtos frágeis corretamente!

Conheça o impacto do design sustentável na indústria

Atualmente, o mundo inteiro vem se preocupando com as questões ambientais. Com isso, as indústrias têm investido em propostas ecológicas como o design sustentável, que além de atrair clientes adeptos a esse movimento, demonstra a sua preocupação com o meio ambiente.

Uma das ações de sustentabilidade no mundo corporativo, são os investimentos em embalagens sustentáveis. Por isso, o design sustentável tem sido muito procurado e cada vez mais valorizado, uma vez que permite o uso racional de recursos e ainda promove a estética diferenciada de um produto.

No post de hoje falaremos sobre o impacto do design sustentável na indústria e seus benefícios. Ficou interessado no assunto? Então siga este post até o final e encontre uma solução sustentável para a sua empresa.

O que é design sustentável?

Também conhecido como design ambiental ou ecodesign, é uma metodologia para desenvolver produtos e serviços conforme os princípios da sustentabilidade social, econômica e ecológica.

Consumir é uma necessidade do ser humano. Porém, o uso inteligente (inclusive rentável) dos recursos disponíveis é uma necessidade econômica e ecológica. Mas essa prática sustentável vai além de aspirações imediatas. Ela também promove mudanças na sociedade, modificando os padrões de produção e consumo, por meio de motivações advindas de elementos essenciais alternativos e inovadores do design sustentável.

Esse design deve ser utilizado como uma ferramenta de transformação do pensamento industrial e do consumidor, desenvolvendo práticas que possam agregar-se ao mercado e permitindo um ambiente ideal para o desenvolvimento sustentável de novos materiais.

Quais as suas principais vantagens?

A prática do design sustentável é fundamental para aquelas empresas que já reconhecem que a responsabilidade ambiental é um dos principais fatores para o seu sucesso. Enumeram-se também os benefícios:

  • baixo custo: o reaproveitamento de materiais para a fabricação de novos produtos possibilita uma economia nos custos de sua produção;
  • auxílio ao meio ambiente: menos produtos serão lançados na natureza, minimizando seus impactos, fortalecendo indiretamente a economia, pois a degradação ambiental afeta a todos;
  • reforço de um conceito positivo: essa é uma boa estratégia para o branding do seu negócio, ou seja, para a construção de uma imagem positiva da sua empresa;
  • agrega valor: o design ambiental aumenta a qualidade do seu produto ou serviço, pois valida a sua responsabilidade ambiental, agregando valor ao seu trabalho.

Quais os principais materiais utilizados para desenvolver embalagens sustentáveis?

Embalagens com design sustentável são uma forma de reduzir os impactos causados pelos descartes excessivos, na medida em que podem ser reutilizadas ou recicladas.

São consideradas embalagens sustentáveis, principalmente aquelas obtidas por meio de materiais orgânicos, recicláveis ou reutilizáveis, que não necessitam de muita energia e recursos naturais para a sua produção e que, após a sua utilização, os impactos ambientais são menores. A seguir citamos alguns desses tipos:

Papelão

Embalagens de papelão são sustentáveis, pois elas podem ser facilmente reaproveitadas. Elas são elaboradas principalmente para a proteção, carregamento e transporte de materiais. Além disso, já é possível a sua utilização até mesmo como móveis.

Entre os principais benefícios das embalagens de papelão, está o maior tempo de aproveitamento do material, suportando de quatro a sete reciclagens. Uma outra excelente vantagem é a economia de energia para a sua produção. 

Paletes

Um outro material sustentável que vem sendo muito utilizado são os paletes — muito usados pela indústria para a montagem de cargas e para o transporte de diversos materiais.

Os paletes são estrados de madeira que podem ser reciclados e transformados em lindos móveis como sofá, cadeiras, mesas, dentre outros. O principal benefício para esse tipo de fabricação é o seu baixo custo.

Pets

Desenvolvidas para substituir as embalagens de vidro, por serem mais leves e mais baratas, as garrafas PET surgiram no final da década de 80. Antigamente, não havia uma solução para a sua reutilização, o que fazia com que elas se tornassem grandes vilãs da natureza.

Atualmente, ele é aproveitado pelas indústrias têxteis, construção civil e na fabricação de móveis. As garrafas também viraram utensílios domésticos, como pufes, poltronas e vassouras. O PET é muito utilizado, principalmente pelo artesanato, para o desenvolvimento de peças criativas de decoração. Esse é realmente um material multifuncional!

Pneus

Os pneus também já foram grandes causadores de problemas para o meio ambiente. Eles geravam transtornos para a saúde humana e também para a qualidade de vida. Algumas das maneiras encontradas para diminuir esses problemas foram a reciclagem e o reaproveitamento.

As indústrias reciclam pneus e deles extraem produtos que podem ser utilizados no asfalto, por exemplo. Empreendedores criativos utilizam o pneu para a criação de móveis, utensílios de bastante durabilidade e artigos para a decoração.

Qual o impacto do design sustentável na indústria?

Atualmente, qualquer empresa que não esteja disposta a implantar ou discutir aspectos sustentáveis no seu processo de produção tem grande chance de perder espaço no mercado, já que a sociedade tem se conscientizado cada vez mais da importância de iniciativas que não agridem o meio ambiente.

Muitas empresas já tiveram suas imagens danificadas por participarem de produções que envolviam questões prejudiciais à natureza, como a emissão de grande quantidade de poluentes emitidos no ar ou o uso de madeira não legalizada para o comércio — o que é previsto como crime ambiental.

Desse modo, o design sustentável impacta diretamente a imagem da empresa. Além do mais, ela pode utilizar essa ideia a seu favor, uma vez que a maioria da população se preocupa com essa questão. Uma boa maneira de fazer isso é por meio do uso de embalagens com design sustentável.

As embalagens de papelão são uma ótima opção em termos de economia, durabilidade e sustentabilidade. Se a sua empresa é fornecedora de produtos e procura por embalagens diferenciadas e atrativas para o seu consumidor, com certeza esse tipo de embalagem vai satisfazer a sua necessidade.

Agora que você já conhece o impacto do design sustentável na indústria e sabe o seu valor, não deixe de avaliar a forma como você vem tratando o meio ambiente. Mude já as ações que sejam prejudiciais e inove com embalagens sustentáveis para conquistar ainda mais a sua clientela

E então, gostou do nosso post? Conseguiu entender como o design sustentável pode impactar a sua empresa? Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou opinião, não deixe de compartilhá-la com a gente! Deixe seu comentário abaixo!